Sábado, 27 de Fevereiro de 2010
MATINAS

 

Mação, há instantes, do alto do meu sótão.

 

Sem a anunciada tempestade mas com todo o tempo do mundo para, no sábio dizer de Gil, amigo de um outro blogue, " nos  lavarmos de nostalgia a cada manhã que abrimos o blogue."

Bom fim-de-semana para todos.

antónio colaço



publicado por animo às 11:12
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010
ÂNIMOS EXALTADOS

 

A três dias do jogo com o FC Porto, o Sporting ganhou novo ânimo.
Público, sobe e desce


publicado por animo às 08:32
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010
OS ARCO-IRIS DÃO ÂNIMO OU O MEU ARCO ÍRIS É MAIS BONITO QUE O TEU!

 

Para compensar este tempo muito mau só mesmo uma janela com ânimo.
 
O meu arco-íris é mais bonito que o teu  (última imagem do post)
 
pfm

 



publicado por animo às 16:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

MÁRIO FILIPE PIRES E AS SUAS SETE VISÕES NO CHIADO

 

O Chiado é uma das zonas mais emblemática de Lisboa. Há muito que está presente nas letras portuguesas e faz parte dos hábitos da capital. Muitos dos seus ex-libris são igualmente lugares comuns fotográficos.

Ao aceitar o desafio de fotografar o Chiado, apenas tinha a certeza de que não queria caminhar por trilhos já demasiado pisados. Não tendo pretensões a originalidade, escolhi tratar o tema de modo a reflectir sobre as dúvidas que sinto em relação ao papel da fotografia como "descritora" da realidade e às falhas desse modelo.

Por quê escolher um único ponto de vista quando podemos ter vários ? Acredito que um dos papéis da arte é o de mostrar que a realidade tem muitos sentidos, muitos mais do que aqueles que os sentidos nos revelam. Espero apenas contribuir para que possam descobrir maneiras diferentes de olhar o Chiado.

Celebraremos a abertura da exposição dia 26 de Fevereiro, sexta-feira, pelas 18h30 e estará patente ao longo de todo o mês de Março, de segunda a sexta-feira, no espaço LiberOffice Chiado.
 
Mário Filipe Pires
(texto do Catálogo)
 
NR
O Mário é um amigo feito nas esquinas da net.
( Tens um pecadilho contra: é certo que não te vi, no Chiado, o ano passado, na Galeria da Associação 25 de Abril, para o início das comemorações dos 30 anos da ânimo na exposição "ABRIL, ÂNIMOS MIL....pronto, está dito.)
Mas... como já colaboraste noutras exposições e ajudaste da ânimo às tantas mil ressurreições....aqui estamos a desejar-te felicitações e a promover as devidas, como dizer, notificações!
 
Pessoal, todos  ao Largo Rafael Bordalo Pinheiro, Nº 16!!!
 
anttónio colaço


publicado por animo às 13:33
link do post | comentar | favorito
|

ALEXANDRE ALMEIDA A PARTIR DE HOJE NA KAMERA GALERIA

 

A partir das 18.30 horas, de hoje, Alexandre Almeida, aqui!

antónio colaço

 

Alexandre Almeida

25 de Fevereiro a 21 de Março de 2010


10 é uma representação do real e país contemporâneo. Uma montra do urbano e rural, concentrados em redor de uma estrada. Tem-se uma amostra transversal da nossa sociedade. Cruzam-se com tradições novas realidades socioculturais.

É esta incongruência espacial que é fascinante. Susan Sontag escreveu num dos seus ensaios - e passo a citar livremente: "O que há de mais belo em homens viris é algo de feminino, o que há de mais belo em mulheres femininas é algo de masculino".

Nunca sei o que devo sentir ao passar por locais como estes. São vivências Próprias autónomas e, ao mesmo tempo Capaz de retratar uma parte de nós mesmos e do que nos rodeia. Medos, Receios e desprezos ao lado de amores, desejos e admirações. É uma espécie de dos "Pequenitos Portugal" de alcatrão.

Alexandre Almeida
 



publicado por animo às 11:51
link do post | comentar | favorito
|

ÂNIMOS EXALTADOS

 

E agora vamos fazer a ligação às Bolsas para nos dar conta do ânimo que levam os mercados.

Ana Franco, TSF



publicado por animo às 11:47
link do post | comentar | favorito
|

MÁRIO FILIPE PIRES E ALEXANDRE ALMEIDA EXPÕEM

AGUARDA EDIÇÃO



publicado por animo às 01:01
link do post | comentar | favorito
|

DIZER BEM...SEM OLHAR A QUEM!

 

Longe de mim querer arvorar-me no Mário Crespo de Mação e o simples facto de convocar a ilustre figura faz-me abrir o flanco para nova e continuada série de soezes, perdão, delicados ataques.
Explicando melhor, alguém me confidenciou que num estabelecimento público de Mação, alguém – não, não, ao contrário do Crespo não darei nenhum indício, não levantarei nenhuma pontinha do véu, o que quer que seja que ajude à multiplicação da maçanica coscuvilhice – afirmou que eu e uma outra pessoa, exactamente, a portadora da notícia – o que garante a autenticidade da dita – e passo a citar “passam a vida a dizer mal do senhor presidente da Câmara”!
Foi então que caí em mim e que, de uma vez por todas, disse para comigo mesmo, está na hora, ao fim destes anos todos, de dizer bem do “senhor presidente da Câmara”. E não contente com isso, fazer uma proposta como prova provada da minha boa fé.
Renego, por isso, os milhares de caracteres que aqui dediquei a criticar o senhor presidente da Câmara pela sua falta de atenção ao Centro Histórico. Ou seja, quero aqui homenagear o senhor presidente da Câmara, por deixar cair as velhas casas, uma a uma, assim, proporcionando aos seus proprietários que fiquem expostos a ridículo pelas malfeitorias que estão a fazer. Senhor presidente, desculpe-me, mas se quiser aceite a minha sugestão, coloque um grande taipal nas frontarias de cada uma das casas a dizer simplesmente “Eu não tenho nada a ver com isto!”
Renego, também, as críticas às alterações das casas que o senhor presidente da Câmara recuperou e, se quiser, aceite a minha sugestão, em vez de ter subido a sua alegre casinha da Rua de Sto António, de rés-do-chão para um humilde terceiro andar, suba mais uns três, meia dúzia, prontos, sempre fica um lindo miradouro sobre a vila e, creio que o senhor presidente até passará a convidar-nos a todos, independentemente da cor partidária, para a visitar e, de seguida, lá comermos uns aperitivos das suas tão criativas lojinhas de estimação.
Renego, também, todas as críticas à sua timidez, ao seu estar por casa/lojas, e reafirmo que é com um crescente gosto que quase todos os dias, agora, tomo o café com o senhor presidente, nos cafés, nas tascas, comento as notícias e, até, vou dando algumas dicas para uma cada vez melhor governação autárquica de proximidade.
Foto recolhida aqui, com a devida vénia.Horrorosa aquela casa antiga,não?!Pois foi finalmente demolida!...
 
E para que não restem dúvidas e como prova da boa fé que me anima, aqui vai uma proposta para uma novo e mais arejado urbanismo, pela redecoração da nova obra prima situado no Largo do Cineteatro, com a qual presto, também, justa e reconhecida  homenagem a todos os homens das gravuras rupestres que ali bem ao lado têm a sua sede e na qual tudo têm feito para a dignificação da crescente ruína em que nos vamos tornando. Ruínas que são, afinal, a nossa mais valia turística. Uma realidade que durante anos me recusei  aceitar mas perante a qual, agora, sinceramente arrependido, me curvo, senhor presidente.
antónio colaço*
 
PS – Qualquer semelhança com a realidade é mera….
*Crónica publicada no mensário VOZ DA MINHA TERRA(Mação)

 



publicado por animo às 00:50
link do post | comentar | favorito
|

MATINAS

 

Estrela, anteontem, mas, hoje, ou amanhã, pode ser.

 

antónio colaço



publicado por animo às 00:38
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010
MEMÓRIA

 

O Tejo, de novo, galgando as margens. Como quem diz, "não se esqueçam que existo, deixem-me fazer parte das vossas vidas, das vossas ruas..".

 

Um dos típicos picaretos do Tejo com que o velho Vitorino tantas vezes atravessou quem dele se abeirasse ali para as bandas de Alvega/Ortiga.

 

Uma imagem das cheias de 1979.O Tejo continua vivo, menos fulgurante, talvez, mas o velho Vitorino, esse, já atravessou o rio Outro da Eternidade.

 

antonio colaço



publicado por animo às 23:55
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010
HAITI,MADEIRA, UGANDA.OS "AI DE TI" DE CADA UM DE NÓS!

 

 

A ânimo renova a manifestação de total solidariedade para com todos os seus amigos leitores madeirenses.

 

 

 

Mas,nesta hora de balanços do que aconteceu, duas tão intrépidas quanto solidárias jovens, Rita e Lina continuam balançadas tentando, dia a dia, minorar o AI DE NÓS de 50 putos ÓRFÃOS de pais com sida no Uganda, uma terra onde a terra treme, a cada minuto que passa, nos abandonados coraçõezitos de milhares de jovens órfãos.

 

Rita e Lina estão a breves dias de partir para mais uma missão e a azáfama é enorme em levar para aquela parte do mundo mais do que peixe, as tantas canas com que ajudar a pescá-lo.

 

Passem pelo blog delas - UGANDAPROJECTO- e verão do que falamos!

 

Um dos instrumentos que, neste momento,  poderia ajudar, lá no Uganda, a materializar um sonho do Orfanato, imaginem só, era, nem mais nem menos, do que uma simples câmera de vídeo!

 

 

Será que os leitores da ânimo - sim, João Casais, se ainda estivesses connosco sabemos que te esfalfarias todo para ajudar a concretizar este sonho, inspira, ao menos, Onde estás, algum leitor nosso mais abonado!!!! - conseguirão entre si ajudar a materializar este sonho?!

 

Passem pelo blog e vejam o que podem e como devem proceder!

 

 

Obrigado!

antónio colaço

 

 



publicado por animo às 13:26
link do post | comentar | favorito
|

MATINAS



publicado por animo às 08:24
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 21 de Fevereiro de 2010
ÂNIMOS EXALTADOS

 

 

O que é preciso é que tenhamos ânimo para recuperar a nossa ilha!

Nicolau Fernandes, TSF (citação de memória)

______________________________________________________

 

A ânimo manifesta total solidariedade para com todos os nossos amigos madeirenses, alguns deles nossos leitores.

antónio colaço



publicado por animo às 20:38
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 20 de Fevereiro de 2010
WEBANGELHO DE ANSELMO BORGES

 

 

 

Pe Anselmo Borges

ONDE ESTAVA DEUS NO HAITI ? (II)

 

Como se lê no documento da Associação de Teólogos João XXIII, aqui citado na semana passada, a pergunta religiosa "onde está Deus no Haiti?" "não é nem pode ser a primeira". Na tragédia do Haiti, converge um conjunto de dados: uma zona sísmica; a mão agressiva do Homem, que desflorestou o Haiti, explorou sem limites as suas reservas naturais e construiu sem o mínimo de segurança; as condições de extrema precariedade em que os colonizadores deixaram o país, a tradição esclavagista, a corrupção generalizada, a ditadura de Governos exploradores, a distribuição injusta dos recursos... O documento observa, criticamente: tudo se afundou, mas o moderno bairro rico de Pétionville, em Port-au-Prince, foi preservado.

A ordem internacional "está montada sobre a concentração da riqueza em 20% da Humanidade e o desamparo de boa parte dela". Governos corruptos, países ricos que os protegem por causa dos seus próprios interesses, tornam alguns povos e Estados incapazes de defender-se de catástrofes naturais. "Sem esta ordem de coisas, a catástrofe teria sido muito menor." Os haitianos são tão pobres que nem possibilidades tinham de receber e distribuir as ajudas que chegavam ao território. Assim, deve-se culpar "a actual ordem internacional que só pode sustentar-se na base do poder económico, político e militar dos países ricos e a persistente corrupção das elites dirigentes do país".

E Deus? Todos temos de mudar, para que não haja mais "Haitis assolados nem Palestinas massacradas nem Auschwitz nem Hiroshimas", e o Deus de Jesus deve ser "o grande acicate de justiça e solidariedade para todos os que se chamam cristãos".

Mas a pergunta atravessa a história do pensamento, e é particularmente dramática para quem acredita no Deus pessoal e criador, omnipotente e infinitamente bom. Deus quis evitar o mal, mas não pôde: então, não é omnipotente. Pôde, mas não quis: então, não é bom. Pôde e quis: então, donde vem o mal?

Aqui, também é necessário perguntar: donde vem o bem? De qualquer modo, as tentativas de resposta sucederam-se. Santo Agostinho e São Tomás de Aquino argumentaram que o mal não existe em si mesmo, pois é só uma privação no bem. Ou então que Deus não quer o mal, apenas o permite como provação e castigo. Pergunta-se: e as crianças inocentes? É por causa do sofrimento das crianças que Dostoievski, em Os Irmãos Karamazov, faz Ivan dizer que entrega o "bilhete de entrada" no mundo. Em A Peste, de A. Camus, o Dr. Rieux diz ao padre que, diante da criança que morre, não pode aceitar Deus.

À famosa Teodiceia (justificação de Deus), de Leibniz, onde se defende que este é o melhor dos mundos possíveis, Voltaire contrapôs ironicamente o seu Cândido e o "Poema sobre o desastre de Lisboa", por causa do terramoto. A. Schopenhauer escreverá que este é o pior dos mundos possíveis.

Hegel dialectizou o sofrimento em Deus: a negatividade é um momento da história de Deus. Um pouco na esteira hegeliana, alguns teólogos falaram de um "Deus sofredor" e, face ao horror do Holocausto, o filósofo judeu Hans Jonas defendeu a impotência de Deus: em Auschwitz, Deus calou-se, "não porque não quis, mas porque não pôde". Pergunta-se: é claro que o poder e a bondade de Deus não podem ser concebidos ao modo humano, mas que ajuda traz um Deus impotente? Deus solidariza-se com o ser humano na cruz de Cristo.

O teólogo A. Torres Queiruga pergunta se não é contraditório pretender pensar um mundo finito sem mal. Face ao mal, que atinge crentes e não crentes, todos têm de viver e justificar a sua fé. E Hans Küng, que reconhece que o mal parece ser "a rocha do ateísmo", pergunta, com razão, na sua última obra Was ich glaube (A minha fé): "O ateísmo explica melhor o mundo" do que a fé em Deus? "No sofrimento inocente, incompreensível, sem sentido, a descrença pode consolar? Como se a razão descrente não encontrasse também neste sofrimento o seu limite! Não, o antiteólogo não está aqui de modo nenhum melhor do que o teólogo."

 

 

In Diário e Notícias, hoje.

 



publicado por animo às 11:23
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010
WEBANGELHO DE FREI BENTO DOMINGUES

 

Frei Bento Domingues

In Público,14 de Fevereiro 2010

 

PARA A QUARESMA

 

Não podemos exigir liberdade e pluralismo na Igreja e, depois, esperar que todos apreciem, positivamente, as nossas opções

 

 
 
 
1.O padre Anselmo Borges transcreveu, no passado dia 6, no DN, o essencial da carta pessoal do jesuíta egípcio-libanês, Henri Boulad, de 78 anos, ao Papa Bento XVI, enviada, aliás, já em 2007.
A partir dos finais de 2009, passou a ser conhecida e circula, agora, na Internet. Partilhei com algumas pessoas a leitura integral da carta deste jesuíta, acerca da situação da Igreja a nível mundial e local. Como se costuma dizer, o estilo é o homem. Ele não deixou por mãos alheias a sua minuciosa
apresentação. Supõe que o próprio Papa é seu leitor e ele um cordial leitor do Papa. As reacções à leitura foram muito diversas. Factos são factos, mas sempre filtrados pelos olhos culturais e, neste caso, eclesiais de cada um. A sua valorização é sempre feita a partir do modo como cada um vê a missão da Igreja no mundo. Esta tem, hoje, uma referência incontornável: o acontecimento e os documentos do Vaticano II. No entanto, os pontos de vista de quem deseja regressar à situação anterior ao Concílio e de
quem o deseja aplicar, segundo a forma como lê a situação actual do mundo e da Igreja, geram conflitos de interpretação e práticas muito contrastadas. É normal. Não podemos exigir liberdade e pluralismo na Igreja e,
depois, esperar que todos apreciem, positivamente, as nossas opções.
Não se conhecem as reacções do Papa e da Cúria a esta carta privada tornada, agora, carta aberta. Há quem diga que, se Henri Boulad a pôs a circular no ano passado, foi porque Roma não lhe ligou. Resolveu ele próprio ampliar os seus destinatários. Seja como for, já lá vão três anos e dir-se-á que está tudo na mesma. Não acredito que este jesuíta fosse tão ingénuo que pensasse que iria, por meio de uma carta, alterar o rumo do pontificado de Bento XVI. Se ele julga conhecer bem a situação mundial da Igreja, não creio que o Papa esteja menos informado.
A carta tornou-se um testemunho aberto da forma como um cristão informado olha para a situação da Igreja nos diferentes países, para as decisões ou falta delas da parte do Vaticano, e como deseja ver alterada a sua situação.
Ao torná-la pública, quer mostrar, como resumiu Oriol Domingo, no diário catalão La Vanguardia, que é urgente compreender que o chefe da Igreja universal não é o Papa, mas Jesus Cristo; que a Igreja católica não
é o Vaticano nem unicamente latina e romana. É, por essência, múltipla, multiforme, plural e pluralista.
 
2.O rumo oficial da prática pastoral da Igreja não se mede, apenas, pelos documentos de pessoas e grupos de recorte seguidista ou
crítico. A questão situa-se a nível das práticas pessoais, das instituições, das dioceses, das paróquias, dos movimentos e das congregações religiosas.
Durante séculos, havia quem repetisse: “Fora da Igreja não há salvação.” Foi preciso explicar o contexto concreto em que nasceu essa afirmação infeliz, que acabava por restringir o campo de acção de Cristo e de Deus!
Agora, por razões compreensíveis, mas míopes, está a difundir-se, em alguns pastores, a ideia de que “fora da paróquia – ou do seu grupo – não há salvação”.Ao longo de muitos anos, em diversos países, colaborei com párocos que sabiam que a paróquia não era uma quinta privada. Tinham gosto na colaboração de todos – cada um e cada grupo com o seu carisma – para a
edificação de uma comunidade una e plural. E não só. Sabiam que, por razões históricas, muitas pessoas eram intermitentes, na chamada prática religiosa. Reservavam, para essas pessoas, uma atenção especial –
numa atitude fiel ao ensinamento da parábola do “filho pródigo” – que se
reflectia na forma como essas pessoas eram acolhidas nos serviços paroquiais. Apoiavam, de bom grado, iniciativas e grupos que, também por razões históricas e más experiências, eram alérgicos a uma integração funcional na paróquia. Nos diversos mundos a que se refere a carta do Padre Henri Boulad,
a situação de muitos cristãos tornou-se de auto gestão.Seria um erro não atender à mecha que ainda fumega e, sobretudo, esquecer que a paróquia, que não é acolhedora, perde a sua vocação missionária tão apregoada e
tão pouco praticada. Pelo que me dizem e por algumas experiências desagradáveis, nota-se que algum clero – e não do mais antigo – manifesta, pelo seu comportamento e pela invocação de ordens superiores, um gosto
especial pela burocracia que afasta os que esperavam acolhimento.
 
3.Hoje, é Domingo Gordo. A próxima quarta-feira é chamada Quarta-feira de
Cinzas, fim do Carnaval e começo da Quaresma. Dir-se-á que, no ano passado,já era assim, como se imperasse a lei do eterno retomo. É o contrário.
Hoje mesmo, na Missa, é proclamado o sermão de Jesus sobre a arte de ser
feliz – as chamadas Bem-Aventuranças –, a arte de transformar a vida. Não estamos condenados a viver na tristeza e nas lágrimas. A Quaresma é um período especialmente dedicado à revisão dos critérios que orientam, actualmente, a vida da Igreja. Se todos somos Igreja, é dedicado à revisão dos critérios devida de nós todos. Sem esta revisão, as Igrejas não podem contribuir para alterar a injustiça que domina a vida dos povos e as relações entre os povos, como lembra o Papa na sua Mensagem para esta Quaresma.

 



publicado por animo às 16:16
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

ANDRÉS TORRES QUEIRUGA EM...

PE ANSELMO BORGES SOMA E ...

SEARAS ESCOLA DE VIDA

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

SIM AO CREDO DOS VALORES

SUBSTITUIMOS O CREDO DOS ...

HOJE, TODOS À GULBENKIAN ...

QUARENTA E TRÊS . FAZER O...

PE ANSELMO AO ATAQUE NA D...

PE ANSELMO BORGES AO ATAQ...

MÁSCARAS, INFERNO E OS BU...

arquivos

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds