Sábado, 28 de Fevereiro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

17120157_Ub7ZOkk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pe Anselmo Borges
in DN
SOBRE SEXO E GÉNERO -1

 

No contexto dos debates sobre a família no Sínodo e de alguns pronunciamentos oficiais de responsáveis da Igreja, pouco adequados, sobre o feminismo e teorias de género, deixo algumas reflexões sobre o tema, retomando ideias expandidas no prefácio que escrevi para Vagina, de Naomi Wolf, uma feminista considerada da terceira vaga

  1. Os seres humanos são o que são enquanto produto inextricável de uma herança genética e de uma cultura em história. Será muito difícil destrinçar exactamente o que pertence à natureza e o que pertence à cultura. A questão agrava-se no que se refere à tentativa de definir o masculino e o feminino.

Afinal, o que pertence à biologia e o que pertence à cultura? O que é "natural" e "não natural"? Biologicamente, os seres humanos estão divididos em machos e fêmeas, tendo aqueles um cromossoma X e um cromossoma Y e estas dois X. Mas os homens e as mulheres acabam por ser definidos mais por categorias sociais do que propriamente biológicas, sendo elas que determinam os papéis, os direitos e os deveres masculinos e os femininos, de tal modo que o significado de "masculinidade" e "feminilidade" é diferente segundo as sociedades. Em termos académicos, funda-se aqui a distinção entre "sexo" enquanto determinação biológica e "género" enquanto categoria histórico-cultural. As qualidades baseadas no sexo biológico são objectivas e constantes; as de género admitem variações e diferenças profundas ao longo da história e de cultura para cultura.

Um exemplo inofensivo, apresentado pelo historiador Yuval Harari, que estou a seguir, na sua obra De Animais a Deuses, ao escrever sobre o tema e as injustiças da História, que estabelece arbitrariamente hierarquias imaginadas, nomeadamente "uma de suprema importância: a hierarquia de género". Repare-se no famoso retrato oficial do rei Luís XIV e na longa peruca, nas meias, nos sapatos de salto alto, na postura de dançarino. No seu tempo, o rei-sol era considerado o modelo da masculinidade e virilidade, mas hoje, na Europa, por exemplo, todos esses elementos (com excepção da espada) seriam considerados características de feminilidade.

Ser do sexo masculino ou feminino é simples: XY ou XX. Mas tornar-se homem ou mulher é mais complicado. De qualquer modo, a pergunta é: porque é que as sociedades têm sido em geral patriarcais, valorizando mais os homens do que as mulheres? Que têm os homens de especial?

Não vamos aqui aprofundar a com- plexidade desta questão. Mas há um facto inegável: durante o século passado, os papéis dos géneros passaram por uma tremenda revolução. Um exemplo, dado por Harari: quando em 1913 o público norte-americano ridicularizou as mulheres que exigiam o direito do voto, "quem teria sonhado que, em 2013, cinco juízes do Supremo Tribunal dos EUA, três deles mulheres, decidiriam a favor da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo (indeferindo as objecções de quatro juízes do sexo masculino)?".

  1. As religiões, particularmente as monoteístas, têm responsabilidades especiais no patriarcalismo, não só dentro delas próprias mas também por causa do reforço patriarcal que exercem noutros domínios. Pense-se nomeadamente no Islão e na Igreja Católica. Não vou reflectir sobre as desgraças das mulheres devidas ao Islão ou ao que dele fizeram. Fixo-me por agora na Igreja Católica. Esta é hoje a única instituição verdadeiramente global, mas ferida pela submissão das mulheres e pelo não reconhecimento da igualdade de direitos com os homens. Jesus tratou bem as mulheres e elas podem e devem estar-lhe gratas, pois foi alguém que contribuiu de-cisivamente para a sua história de emancipação libertadora. Quanto à Igreja, porém, compreende-se a sua crítica e mal-estar. As lutas gnósticas e a sua influência negativa, a doutrina do pecado original e as suas consequências, nomeadamente na compreensão da Eucaristia interpretada como sacrifício, exigindo a pureza ritual, a Igreja constantiniana enquanto instituição de poder levaram a uma discriminação das mulheres que não é de modo nenhum consentânea com o Evangelho de Jesus.

Algumas tradições judaicas falam do mito de Lilith. Conta-se que Deus, antes de Eva, primeiro criou Lilith. Feita do mesmo barro, recusou-se a submeter-se a Adão e acabou por fugir do Paraíso. Apesar da intervenção de Deus para que voltasse, Lilith recusou renunciar à sua liberdade e viver subordinada ao homem. Essa inaudita ousadia tornou-a responsável pelos males do mundo. Mas, afinal, não acabaram Eva e as suas filhas por arrostar igualmente com a responsabilidade pelos males e com o castigo?

Fica claro que, em ordem à sua identidade de pessoa enquanto mulher, é preciso contar com o sexo biológico, mas são igualmente decisivas a cultura, a história, a educação, as normas sociais, a religião.

Aí está um conjunto de questões que exige uma nova reflexão por parte da Igreja e da sociedade em geral

 



publicado por animo às 00:21
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 22 de Fevereiro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO FREI BENTO DOMINGUES

14134488_NZG9o.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frei Bento Domingues
In Público

MUDAR RADICALMENTE A RELIGIÃO


Os caminhos de Deus não se podem confundir com os de uma só religião.

  1. Não tive condições para seguir as cerimónias que envolveram a nomeação dos novos “príncipes da Igreja”. Um amigo, pouco dado a críticas à hierarquia eclesiástica, manifestou-me, no entanto, o seu desapontamento. Daquilo tudo, só as palavras do Papa estavam ajustadas a um programa de reforma da cúria e da Igreja.

Seria arcaico exigir dos novos cardeais vestes parecidas com as do carpinteiro de Nazaré. Mas aquele espectáculo era a reprodução de sempre do mau gosto purpurado. As delegações portuguesas, ao convidar o Papa para vir a Fátima, revelaram pouca imaginação e, até parece, uma oposição ao seu programa.

Seja como for, importa redescobrir o papel das religiões no mundo, na Europa e em Portugal. O que as terá anestesiado para que, durante estes anos todos de miserável humilhação dos povos do Sul da Europa e de transformação do Mediterrâneo num cemitério medonho, não tenham suscitado um imenso movimento de resistência não violenta?

Sobre o papel das religiões existem as posições mais desencontradas. Comecemos por uma das mais negativas:

Os três monoteísmos, animados pela mesma pulsão de morte genealógica, partilham uma série de desprezos idênticos: ódio da razão e da inteligência; ódio da liberdade; ódio de todos os livros em nome de um só; ódio da vida; ódio da sexualidade, das mulheres e do prazer; ódio do feminino; ódio dos corpos, dos desejos, das pulsões. Em lugar de tudo isso, judaísmo, cristianismo e islão defendem: a fé e a crença, a obediência e submissão, o gosto da morte e a paixão do além, o anjo assexuado e a castidade, a virgindade e a fidelidade monogâmica, a esposa e a mãe, a alma e o espírito. Em suma: a vida crucificada e o nada celebrado.” [1]

  1. Não podemos avaliar o alcance da revolução teológica do Vaticano II sem saber de onde viemos, como instituição.

Não há prestidigitação hermenêutica engenhosa que possa transpor o hiato que separa os ensinamentos oficiais sobre as religiões não cristãs dos dois concílios ecuménicos ou gerais, o de Florença (1438-1445) e o Vaticano II (1962-1965). A mudança é de 180º.

No Concílio de Florença, depois de se mostrar a superação do judaísmo com o advento de Cristo, resume-se a sua posição no axioma bem conhecido e muitas vezes repetido - extra ecclesiam nulla salus – fora da Igreja não há salvação. A explicitação não pode ser mais radical nem mais assustadora: “A Igreja crê firmemente, confessa e anuncia que nenhum dos que estão fora da Igreja católica, não só os pagãos, mas também os judeus, os hereges e cismáticos, poderão chegar à vida eterna, mas irão para o fogo eterno preparado para o diabo e para os seus anjos [Mt 25,41], se antes da morte não tiverem sido a ela reunidos.” [2]

A partir do Vaticano II, o ecumenismo, a liberdade religiosa e o diálogo inter-religioso passam a fazer parte da doutrina oficial da Igreja, dentro de uma concepção plural da própria teologia católica, embora com diversas interpretações e muitos ziguezagues.

A verdade no diálogo exige o reconhecimento do pluralismo religioso como um valor, um novo paradigma para o pensamento e para a prática pastoral. Se tomarmos a sério a diversidade religiosa não pensaremos em anexar nem em dominar os outros. A prática da hospitalidade religiosa é o caminho para evitar o proselitismo e a violência ou a mera tolerância. Os caminhos de Deus não se podem confundir com os de uma só religião. Seria impor-Lhe as nossas concepções de vida e de salvação. As religiões só têm a ganhar deixando-se interpelar mutuamente em ordem a uma aliança para a abertura ao mistério divino que nenhuma pode abarcar e para se colocarem ao serviço de todos os seres humanos, sobretudo dos excluídos.

  1. Nada disto é possível sem que as próprias religiões consintam em entrar num processo de conversão. Se persistirem na ideologia de que são elas a salvação e que Deus só passa por ali, estão condenadas, por mais que julguem que estão a aumentar a sua influência. Como dizia Jesus Cristo, são meras associações de cegos a conduzir outros cegos. Diante da loucura assassina da ideologia religiosa, o presidente egípcio Al-Sisi, em Al-Azhar e perante as autoridades religiosas, teve a coragem de dizer, alto e bom som: nós devemos mudar radicalmente a nossa religião [3].

O Papa Francisco assumiu o programa do Vaticano II e em vez de atenuar a urgência e a profundidade que ele implica, venceu 50 anos de hesitações e descaminhos para o radicalizar a partir do cimo da pirâmide, socavando-lhe os falsos alicerces, para que o governo da Igreja veja o mundo a partir dos excluídos, dos habitantes de todas as periferias. Com um critério: não se sintam tentados a estar com Jesus, sem quererem estar com os marginalizados, isolando-se numa casta que nada tem de autenticamente eclesial.

Terei de voltar a esta espantosa homilia do Domingo passado, dia 15.

 

[1] M. Onfrey, Traité d’ athéologie, Paris, Grasset, 2005

[2] Peter C. Phan, Diálogo inter-religioso: 50 anos após o Vaticano II, Cadernos Teologia Pública, ano XI, nº 86, vol. 11, 2014.

[3] https://www.youtube.com/watch?v=NJfnquV7MHM

 

 



publicado por animo às 13:42
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Fevereiro de 2015
OUTRAS ANIMAÇÕES

ATT00004.jpg

 



publicado por animo às 11:35
link do post | comentar | favorito
|

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

17120157_Ub7ZOkk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pe Anselmo Borges
In DN
SOLIDÃO E ÉTICA DO CUIDADO

Italo Calvino escreveu, em As Cidades Invisíveis: "A cidade de Leónia refaz-se a si própria cada dia que passa: todas as manhãs a população acorda no meio de lençóis frescos, lava-se com sabonetes acabados de tirar da embalagem, veste roupas novinhas em folha, extrai do mais aperfeiçoado frigorífico frascos e latas ainda intactos, ouvindo as últimas canções no último modelo do aparelho de rádio. Nos passeios, embrulhados em rígidos sacos de plástico, os restos da Leónia de ontem esperam o carro do lixo. Não só tubos de pasta dentífrica bem apertados, lâmpadas fundidas, jornais, contentores, restos de embalagens, mas também esquentadores, enciclopédias, pianos, serviços de porcelana: mais do que pelas coisas que dia-a-dia são fabricadas, vendidas, compradas, a opulência de Leónia mede-se pelas coisas que dia-a-dia se deitam fora para dar lugar às novas. De tal modo que há quem se interrogue se a verdadeira paixão de Leónia é realmente como dizem o gozar as coisas novas e diferentes, ou antes o rejeitar, o afastar de si, o limpar-se de uma constante impureza. A verdade é que os varredores são recebidos como anjos, e a sua tarefa de remover os restos da existência de ontem está rodeada de um respeito silencioso, como um ritual que inspira devoção, ou talvez porque uma vez deitadas fora já ninguém quer tornar a pensar nessas coisas."

Quem cita o texto é o filósofo João Maria André, numa conferência tão profunda como terna sobre o tema em epígrafe, e o que aí fica é uma breve síntese. Leónia é uma metáfora para a sociedade que quer o permanentemente novo, atirando o velho para fora. Mas hoje já não são apenas as coisas que se descartam, "descartam-se também as pessoas". Uma boa metáfora para "a sociedade líquida de consumo", num tempo de "turbo consumismo", que resulta numa felicidade paradoxal: "A felicidade está em ser-se permanentemente infeliz, porque o consumo aumenta cada vez mais a insatisfação e a felicidade da insatisfação é uma felicidade paradoxal." E aí está a solidão da "sociedade líquida" (Zygmunt Bauman): "Está só o que consome, porque se consome e tudo consome no consumismo; está só o que se vê excluído do consumo, porque não tem acesso a ele."

Há dois modos na solidão: não é a mesma coisa estar só e sentir-se só. O criador, o religioso, o artista, o político, em última análise, qualquer ser humano que não queira andar sempre distraído e à superfície das coisas, precisa de momentos de solidão, para reflectir e poder estar consigo no mais íntimo e com a transcendência e a fonte donde procede o ser e o criar: é a solidão habitada. A outra solidão é a solidão do abandono, dos restos, da exclusão. E cada vez mais é nesta que se está. Sobretudo os velhos. Nesta sociedade líquida do consumo e da vertigem da velocidade, não há solidez de relações e de afectos - as relações fazem-se e desfazem-se, os afectos "gastam-se e deitam-se fora"- nem memória nem futuro: descartam-se os velhos e não há crianças.

O ser humano enquanto pessoa é constitutivamente ser em relação, de tal modo que ser e ser em relação coincidem. A identidade é sempre atravessada pela alteridade, na interacção com os outros. Assim, ser pessoa enquanto liberdade é ser responsável, capaz de responder: "Ser é responder, responder ao dom que nos coloca no ser."

Então, com a solidão, no processo do envelhecimento, é a vulnerabilidade do ser humano que se manifesta: "um processo de identidade em ruptura"; "a pessoa só, sem pontes para os outros e para o mundo, é um ser assassinado na sua identidade"; "as pessoas sós são pessoas anónimas", na angústia da saudade do passado, na dissolução da memória e na perda do futuro, na incapacidade de ser projecto e, por isso, de esperança.

A pessoa humana não é espírito desencarnado, consciência abstracta. Dizia Laín Entralgo: eu sou um corpo que sente, que pensa, que espera, que ama, que diz eu. Somos presentes pelo corpo. Assim, a solidão é também ruptura com o corpo: a ausência da palavra, a ausência do gesto, da carícia, da ternura. E envelhecer é despedir-se do corpo, a sua perda lenta, no horizonte da morte: "A experiência da morte daqueles que amamos é a experiência de um corpo que, sendo o corpo deles, já não são eles no seu corpo."

Cá está então a ética do cuidado, no sentido profundo e abrangente, holístico, do cuidar, que rompe a solidão "através das portas corporais" e responde à vulnerabilidade do ser humano.

Porque é que nos sentimos sós? "Saber-se e sentir-se só é saber-se e sentir-se desabrigado, sem tecto, sem morada." Por isso, "ajudar a vencer a solidão é oferecer a alguém uma morada, uma hospedagem, o cuidado de um abrigo": o abrigo do nosso olhar, o abrigo do nosso ouvido, da nossa palavra, da nosso mão, dos nossos gestos, da nossa compreensão e confiança, da nossa estima, "chame-se amizade ou chame-se amor".

 



publicado por animo às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

MATINAS

1238178_549400381799376_1711673575_n.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gaivotas, trazei-me o sol de volta!



publicado por animo às 11:28
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO FREI BENTO DOMINGOS

14134488_NZG9o.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frei Bento Domingos
In Publico
15.02

AS MULHERES CHEGARAM DEMASIADO TARDE?

Será que para as mulheres católicas estão à espera da 25.ª hora?

  1. Na paisagem pós-religiosa da Europa não foi necessária nenhuma heroicidade para organizar, em Paris – e noutras cidades -, a grande procissão para defender a liberdade de expressão, mesmo acerca das religiões. Nas Filipinas, 6 milhões foram participar com o Papa Francisco na celebração da Eucaristia para rezar e resistir ao imenso sofrimento dos pobres de todos os continentes, a blasfémia contra o ser humano.

Estava a pensar nisto, quando, deparei com dois livros, que vinham ao encontro de alguns temas que me preocupam. O primeiro [i] é de um bispo, carregado de doutoramentos e coordenador nacional do serviço do episcopado francês, no tocante à pastoral, às novas crenças e às derivas sectárias. Ao observar o que aparece nos meios de comunicação contra o cristianismo e contra a Igreja católica e, por outro lado, a velocidades com que o ateísmo e um certo paganismo alargam a sua influência, não ficou parado: procurou responder a essas críticas, corrigir os erros tantas vezes repetidos, a partir “do coração” do cristianismo.

Para atingir esse objectivo, o autor enfrentou os debates que foram sempre fundamentais: a obediência e a via da autoridade opostas à razão e à sabedoria; o próprio facto da Revelação, as dificuldades que envolvem a Incarnação e o antropocentrismo, sobretudo, o problema crucial do sofrimento e da morte.

Pode parecer pretensioso abranger as questões do ateísmo e do paganismo, na sua fonte, no seu contexto e evolução, até às objecções contemporâneas – ainda que tradicionais – feitas ao cristianismo: as guerras de Religião, a Inquisição, as cruzadas, as torpezas de certos papas, a pedofilia. No entanto, para o diálogo que os agentes de pastoral devem cultivar, com a maioria de crentes e não crentes - não são todos filósofos e teólogos -, é um instrumento muito útil.

  1. O outro livro [ii] não pertence nem ao campo da teologia nem ao da filosofia, mas ao da sociologia da religião, escrito por um especialista em Ciências da Informação. Recolhe os estudos e as estatísticas que, segundo o título, exprimem uma Europa sem religião, num mundo religioso.

Um vasto inquérito estatístico sobre os efectivos religiosos, as crenças e as práticas, em França, na Europa Ocidental e na América do Norte, tende a confirmar uma hipótese muito evocada nos últimos tempos: o declínio do cristianismo (católico, ortodoxo e protestante) e, também, do judaísmo.

Não é muito fácil reconhecer e encarar este fenómeno e, mais difícil ainda, aceitar que o futuro não repete o passado, imaginar novos tipos de presença e de comportamento. Esta paisagem contrasta com outros dois universos religiosos mais vistosos, ainda que incomparáveis termo a termo, isto é, o islão de inspiração salafista e o protestantismo pentecostal, em parte situados nas periferias do mundo pós-religioso.

Estes factos não são o fim da religião. Em África, na América do Sul, no sul dos Estados Unidos, na Ásia e na Europa Oriental, seja de que ponto de vista for, a religião é uma componente do quotidiano.

Acerca da Europa, o autor não aceita a tese dos que, perante a complexidade do fenómeno religioso, em vez de falarem do seu declínio, analisam a sua recomposição. O que é inegável, por exemplo no catolicismo, é o facto expresso no que dizia, com uma certa graça, o Arcebispo de Lyon: quando ordeno dois padres por ano, enterro vinte. Padres das dioceses e das congregações religiosas são cada vez menos. As religiosas, sejam de clausura ou da vida activa, seguem o mesmo rumo.

Esta situação leva a posições conservadoras bastante ridículas. São poucos os celibatários candidatos a ser ordenados padres. Os poucos não chegam para as encomendas. Muitos dos padres que se casaram, sobretudo depois do Vaticano II, gostariam de continuar o ministério para que estavam preparados. Foi-lhes recusada essa possibilidade. Aqui, começaram as subtilezas: padres casados, não, mas não haveria, em princípio, objecção à ordenação de homens casados, os apóstolos não eram solteiros. Acontece que nunca ordenam os que o desejam. Ficavam as mulheres, entre as quais haveria certamente vocações para diferentes ministérios. Mas essas, nunca! Todo o esforço de papas, bispos e cardeais – e dos teólogos de serviço - esgota-se num rol de incompatibilidades. Uma das mais ridículas consiste em dizer que o padre, ou o bispo, preside à Eucaristia à imagem de Cristo. Ora, este é homem. Nem pensam que, nesta lógica absurda, estão a roubar Cristo às mulheres cristãs.

 

 



publicado por animo às 12:03
link do post | comentar | favorito
|

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

17120157_Ub7ZOkk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pe Anselmo Borges

PÚRPURA E PERIFERIAS
In DN 14Out

Como tinha anunciado, o Papa celebra hoje e amanhã no Vaticano a cerimónia de criação de vinte novos cardeais, dos quais, porque têm menos de 80 anos, quinze são eleitores do novo Papa, num eventual conclave. Anteontem e ontem, Francisco examinou com o Colégio Cardinalício, uma espécie de Senado da Igreja, que agora representa 73 países de todo o mundo, a reforma da Cúria Romana, desafio fundamental. De facto, sem uma reforma radical, consistente e duradoura, "constitucional", da Cúria, não se cumprirá uma tarefa essencial para Francisco.

Como já tinha acontecido na primeira nomeação de novos purpurados, há um ano, Francisco fez questão de abandonar critérios tradicionais de escolha. Assim, ficaram sem cardeal grandes cidades como Veneza e Bruxelas e só um membro da Cúria ascendeu ao cardinalato. Mas o arcebispo de Santiago, Arlindo Gomes Furtado, tornou-se o primeiro cardeal de Cabo Verde na história, o arcebispo de Rangun, o primeiro cardeal birmanês, como o bispo de Tonga é o primeiro proveniente do arquipélago de Tonga e também, com 53 anos, o mais jovem do Colégio. A América Latina fica representada por mais três cardeais, e a Ásia também com mais três.

A partir de hoje, a assembleia dos cardeais conta com 228 membros, dos quais 125 são eleitores: 57 provêm da Europa, 17 dos Estados Unidos e Canadá, 19 da América Latina, 15 da África, 14 da Ásia e três da Oceânia. Deste modo, Francisco cumpre dois objectivos do seu pontificado: por um lado, o desígnio de uma Igreja pobre para os pobres, uma Igreja das e para as periferias; por outro, a descentralização, correspondendo aos novos equilíbrios do mundo e da Igreja, cada vez menos eurocêntrica e cada vez mais policêntrica. Nas nomeações, também não é indiferente a proximidade de pontos de vistas do próprio Francisco. Neste sentido, mandou fazer um estudo para aumentar o número de cardeais eleitores para 140, portanto, paralá dos 120 permitidos pela Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis,de João Paulo II: "O número máximo de cardeais eleitores não deve superar os cento e vinte."

2Francisco não se cansa de prevenir os cardeais contra as tentações do orgulho e da ostentação: "O cardinalato não significa promoção, honra ou condecoração. É simplesmente um serviço que exige ampliar a visão e engrandecer o coração. E, embora pareça um paradoxo, este poder ver mais longe e amar mais universalmente com maior intensidade só se pode obter seguindo o caminho do Senhor: o caminho da humildade, fazendo-se servo." O que lhes pede é que possam ajudá-lo com "fraterna eficácia" no seu serviço da Igreja universal.

Na sua imensa delicadeza, pede-lhes, "por favor", que aceitem esta nomeação com "um coração simples e humilde", longe de "qualquer expressão mundana, de qualquer celebração alheia ao espírito evangélico de austeridade, sobriedade e pobreza".

Esta foi a mensagem no primeiro consistório, que repetiu aos novos cardeais: sendo o seu cargo "um serviço", que o aceitem "com humildade" e evitem "o espírito mundano". "Manter-se com humildade durante o serviço não é fácil, quando se considera o cardinalato como um prémio, como o culminar de uma carreira, de uma dignidade de poder e de uma distinção superior." Recordou-lhes que "ser cardeal significa dar testemunho da Ressurreição do Senhor e dá-lo totalmente, até ao sangue se for necessário". É, pois, bom que se alegrem com esta nova vocação e celebrem, porque é próprio do cristão "desfrutar e saber festejar". Mas é preciso que, nestas festas, "se não insinue o espírito mundano, que atordoa mais do que a aguardente em jejum, desorienta e separa da cruz de Cristo".

3Como aqui tinha escrito, não constituiu surpresa a nomeação do patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, que será agora referido como cardeal-patriarca de Lisboa.

Pelo facto de o ser, torna--se conselheiro especial do Papa Francisco e assume a responsabilidade de eleitor e elegível papal. Na Igreja em Portugal, não fica, formal e juridicamente, com mais poderes. Ao contrário de algumas ideias feitas, o cardeal-patriarca não é o chefe da Igreja em Portugal. Ele tem na sua diocese os poderes que qualquer bispo tem na dele.

Na prática, as coisas são mais complexas. De facto, o cardeal-patriarca vive na capital, e, portanto, está mais próximo do poder central. Assim, espera-se que seja mais interventivo, para uma política mais favorável à justiça social e ao bem comum, e crítico na denúncia da corrupção e das cumplicidades do poder político e do poder económico-financeiro. Para isso, com os outros bispos, zelará por uma Igreja, ela própria mais livre e independente desses poderes. Ainda neste quadro, sendo magno chanceler da Universidade Católica, muitos católicos desejam que intervenha no sentido de, concretamente na investigação e ensino nos domínios da economia, finanças e gestão, a doutrina social da Igreja estar mais presente.

 



publicado por animo às 11:56
link do post | comentar | favorito
|

MATINAS

10408725_830165970389481_2553051897207520237_n.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não me canso de falar do que gosto: os croissants da Mimosa,no Montijo são os melhores do (meu) mundo.
Quando estou no melhor Café do (meu) mundo, o Majestic do Porto, como gostava de os lá saborear!

 



publicado por animo às 11:48
link do post | comentar | favorito
|

JE SUIS VAROUFAKIS

(Da página do meu amigo Santos Ponciano e escrito por Jacinto Furtado, retirei este belíssimo WEBANGELHO outro)

Fui ao banco e fiz o pagamento antecipado do empréstimo que tinha contraído. Fiquei satisfeito, contei a toda a gente, contei aos amigos, contei aos conhecidos,... contei aos inimigos e até contei a um tipo grego que conheci tempos atrás.
Tinha feito um excelente trabalho, pagar antecipadamente o empréstimo vinha justificar tudo o que tinha feito nos últimos tempos.

Para alcançar este objectivo tinha despedido a empregada doméstica, cortei o pequeno almoço e o lanche aos putos, ao jantar comiam sopa com um naco de pão duro, molhado na sopa fica como novo, sim porque esta malta estava habituada a comer bifes, razão tem a Isabel Jonet, há realmente maus hábitos, sopinha e pão duro é muito bom. Cortei nos medicamentos, gripes lá em casa passaram a ser tratadas com chá de limão com meia colher de mel e um cobertor. As mesadas da criançada levaram um brutal corte e muito mais coisas, tudo em nome dum nobre objectivo.
Mas finalmente podia dizer que eu é que percebia, eu é que sabia como se geria a coisa pública, perdão, a coisa familiar. Reuni a família para dar a boa nova, quando estavam todos sentados e calados dei a notícia…

“Paguei antecipadamente o empréstimo!”
- por Jacinto Furtado.

.....................................................

davidoff-cool-water-men.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(E esta, hein?!Quem é amigo?!Borlas de quem mais não pode....)

 

JE SUIS VAROUFAKIS
Agora, sem dinheiro e sem cartões de crédito que tinham feito as delícias de outros tempos, devorava,por exemplo, as notícias dos jornais e revistas que a generosidade da grande superfície de Belmiro disponibilizava, em banca totalmente aberta à leitura de quem desejasse (hoje,por exemplo, no Forum Almada, o forreta Jerónimo Martins pregara-lhe uma partida, que rapidamente superou, ao obrigá-lo a abrir,rasgando, um a um, sorrateiro, estratégicamente dissimu...lado entre as estantes das malas de viagem, os avarentos sacos de plástico que protegiam todos os matutinos alvo do sua condicionada atenção).

E nem as perfumarias escaparam a esta declarada e assumida austeridade.
Os perfumes caros, de marca, que outrora constituíam presença habitual na sua higiena matinal, estavam-lhe, agora, vedados. Entrado na bem cheirosa Loja dos Perfumes,abordava-os com requintados rituais de disfarce. Sabia ao que ia, mas convinha retardar o passo. Como quem está indeciso e deseja confirmar-se. Qual o quê, os seus olhos localizaram, imediata e ardentemente, o santuário dos pequenos frasquinhos azuis. Só queria levar para casa, na roupa, aquele aroma eterno que um dia "alguém" lhe trouxera de longe, pelo que simulou vigorosa pressão sobre o vaporizador, como quem quer experimentar antes de levar, e nesse gesto assim repetido até à exaustão, o desejado, mas agora proibido Davidoff Cool Water lá voou, colando-se ao seu estafado polo azul.
Estava consumado o plano de sobrevivência.
Agora, por onde passasse, todos se voltariam à sua volta, não para admirar o cachecol Burberry's, antes, o bem cheiroso Davidoff.
Je suis Varoufakis.
Custódio Varoufakis, se faz favor.
(Inspirado no partilhado texto desta manhã de Santos Ponciano).



publicado por animo às 11:41
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015
MATINAS

DSC_0254.jpgk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AManhecer.Atalaia,Montijo.



publicado por animo às 22:42
link do post | comentar | favorito
|

RÁDIO TODOS OS DIAS

(NR-O Sapo continua a fazer das suas! A ordem das fotos é exactamente ao contrário do editado! Paciência! As desculpas!)

A RÁDIO não tem Dia Mundial.
O Mundo (devia) entra pela RÁDIO adentro TODOS OS DIAS.
A RÀDIO não existe, a RÁDIO SOMOS NÓS....NA VIDA!
VIVA A VIDA NA RÁDIO!
2...
Os meus amigos da Universidade do Minho tomaram hoje esta iniciativa que tomo a liberdade de compartilhar com todos vós.
Aqui neste link,
http://www.lasics.uminho.pt/…/in…/cecs_ebooks/issue/view/165

encontram o trabalho que editaram para celebrar 25 anos de legalização.
Os meus parabéns para eles, por se terem lembrado do meu modesto contributo e, pelo menos pelo testemunho que lhes dei, de TODOS OS QUE CONTRIBUIRAM para esta nova realidade, pese embora as insuficiências que se notam.
Fica para outra conversa um dia destes!
antónio colaço
.......................................................................
Boa tarde,
Para assinalar o Dia Mundial da Rádio, celebrado a 13 de fevereiro, é com muito gosto que informamos que o e-book 'Das Piratas à Internet: 25 Anos de Rádios Locais', para o qual contribuíram com uma entrevista, será publicado amanhã, pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, através da seguinte ligação:

http://www.lasics.uminho.pt/…/in…/cecs_ebooks/issue/view/165

O livro é editado por Ana Isabel Reis, Fábio Ribeiro e Pedro Portela, e enquadra-se no projeto de investigação 'Estação NET: moldar a rádio para ambiente web', financiado pela FCT.
Aproveitamos a oportunidade para dar conta de que este livro será assinalado na emissão especial de amanhã, da Antena 1, em direto a partir de uma escola em Braga, entre as 7 e 11 horas.
Nos próximos dias, daremos também indicações relativas ao lançamento que iremos fazer da publicação.

Como agradecimento pela vossa contribuição, iremos enviar por correio postal, um exemplar impresso deste livro, pelo que peço que me indiquem, por favor, o endereço para a qual deveremos enviar a correspondência.
Mais uma vez agradecemos o vosso decisivo contributo.
Com os melhores cumprimentos,
Ana Isabel Reis
Fábio Ribeiro
Pedro Portela

colaçoeanes2.jpg

 

radioribatejo1.jpg

14678316_DGClm.jpg

6417022_hZiz2.jpg

28545_107973362579015_2397729_n.jpg

6417233_o028W.jpg

6417225_aCei2.jpg

6417238_DgnMd.jpg

6417236_dZCZk.jpg



publicado por animo às 22:35
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015
VÉSPERAS

DSC_0096.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entardecer.

Montijo, Frente Ribeirinha. 



publicado por animo às 21:28
link do post | comentar | favorito
|

SONDAGENS . ANTÓNIO NÓVOA, O MEU CANDIDATO

 

DSC_0025.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15880637_1tU4E.jpgk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hoje, depois de ler esta sondagem da Aximagem, deu-me para ir almoçar com o professor António Nóvoa.
Quer dizer...recordar o AAA-ANIMADO ALMOÇO com António Nóvoa no restaurante da Associação 25 de Abril.

A reportagem está toda nestes links mas a força, o vigor, a autenticidade da mensagem de António Nóvoa ganha cada vez mais actualidade à medida que a actualidade com que nos deparamos cada vez mais impõe alguém de MÃOS LIMPAS para Belém e, a partir de BELÉM, ajudar a limpar o País!!!
E não é preciso dizer mais nada.
"Ah! mas não é um candidato conhecido!!!

Ah!Mas não tem o apoio dos partidos e, em especial do PS, bla,bla"

De facto, as provas dadas por António Nóvoa, são mais que suficientes para ajudar os portugueses a CONHECEREM os novos VALORES por que é preciso lutar e a EXIGIR um PS finalmente reconciliado com os portugueses e com a POLÍTICA, com uma nova forma de estar na política, menos calculista, menos à espreita-do-que-isto-dá,numa palavra, num PS verdadeiramente SOLIDÁRIO!!!!
Com a candidatura de António Nóvoa, ANUNCIADA DESDE JÁ, de forma independente e autónoma, resolviam-se alguns problemas por resolver (sim, pleonasmo e tudo) nomeadamente, na frustante (menos para os que nela nunca acreditaram ..) liderança socialista.

Portanto, senhores da Aximagem, toca a actualizar o lote de potenciais cadidatos para a próxima sondagem.

ANTÓNIO NÓVOA, UM PRESIDENTE SEMPRE PRESENTE!
O NOSSO PRESIDENTE!
UM COMO NÓS.

UM PRESIDENTE SEMPRE CONNOSCO!

http://animo.blogs.sapo.pt/nas-maos-de-antonio-novoa-para-metermos-1162353

 

 



publicado por animo às 15:44
link do post | comentar | favorito
|

VELHOS, PERDÃO, PARDAÍS DO RESTELO

DSC_0032.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto .Original de Luis Barra, Expresso.

OS VELHOS, PERDÃO, O PARDAL DO RESTELO

"Muitos milhões de euros estão a ser tirados dos bolsos dos portugueses"

Aníbal Cavaco Silva, há momentos, no .....Congresso do Milho!!!

...

Este pardal está mesmo a precisar de....gaiola!
Este senhor foi o mesmo que marcou várias gerações de portugueses com o célebre conceito de "subir a pulso na vida"!!!
Não há lugar para solidariedades.
Vai tudo à frente!!!

Como diz o meu neto, "que nojo, Vôvô!"

Foto
Intervenção gráfica sobre excelente foto do Luís Barra, Expresso.
Desculpa, Luís.
Obrigado, Luis!



publicado por animo às 15:41
link do post | comentar | favorito
|

MATINAS

DSC_0015.jpgk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

Chilreios.
Foto.Atalaia, Montijo.



publicado por animo às 15:40
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

ANDRÉS TORRES QUEIRUGA EM...

PE ANSELMO BORGES SOMA E ...

SEARAS ESCOLA DE VIDA

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

SIM AO CREDO DOS VALORES

SUBSTITUIMOS O CREDO DOS ...

HOJE, TODOS À GULBENKIAN ...

QUARENTA E TRÊS . FAZER O...

PE ANSELMO AO ATAQUE NA D...

PE ANSELMO BORGES AO ATAQ...

MÁSCARAS, INFERNO E OS BU...

ÂNIMO . TRINTA E OITO ANO...

LISBOAS . O OUTRO LADO DO...

O VOTO É UM CONTRATO DE C...

CARLOS CARREIRAS E O FOGO...

MUITO DO DESENVOLVIMENTO ...

AANIMADO ALMOÇO COM CARLO...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds