Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO FREI BENTO DOMINGUES

751166.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frei Bento Domingues
In Público

28.12.2015

Será a Bíblia blasfema?

O iaveísmo histórico veicula uma teologia nacionalista, por vezes, de uma extrema violência.

 

1. Quando se tenta explicar a violência das religiões ou contra as religiões resvala-se facilmente para a justificação do crime.

 Nos últimos tempos, repetem-me: o Papa Francisco considera o terrorismo, em nome de Deus, como uma blasfémia, mas, nesse caso, o Antigo Testamento (AT) não é também ele blasfemo?

O exegeta, Armindo Vaz [1], referindo-se a Dt 20,10-18 [2], apresenta Moisés a falar a Israel deste modo:

“Quando te aproximares duma cidade para combater contra ela…, Iavé teu Deus a entregará nas tuas mãos e passarás a fio de espada todos os seus varões, as mulheres, as crianças, o gado; tudo o que houver na cidade, todos os seus despojos, o hás-de tomar como espólio…Quanto às cidades destes povos que Iavé teu Deus te dá em herança não deixarás nada com vida; consagrá-los-á ao extermínio: hititas, amorreus, cananeus, ferisitas, hivitas e jebuseus, como te mandou Iavé, teu Deus, para que não vos ensinem a imitar todas essas abominações que eles faziam em honra dos seus deuses: pecaríeis contra Iavé vosso Deus”.

As explicações históricas do autor são importantes, mas insuficientes.

2. Encontrei, num estudo de Francolino Gonçalves [3], da Escola Bíblica de Jerusalém e membro da Comissão Bíblica Pontifícia, algo diferente. O uso que farei da sua hipótese só me responsabiliza a mim. Passo a transcrever apenas algumas passagens do seu longo texto.

Começa pela opinião comum: “desde há cerca de três quartos de século que o iaveísmo teve como matriz e, durante muito tempo, como único horizonte Israel ou, melhor dito, as relações entre Iavé e Israel. Nesta perspectiva, a eleição de Israel, a sua libertação do Egipto e a aliança que Iavé fez com ele, são os artigos fundamentais da fé iaveísta. Por influência das religiões estrangeiras, em particular da religião cananeia, o iaveísmo ter-se-ia voltado também para o mundo no seu conjunto e teria visto nele a obra de Iavé. No entanto, só teria assimilado plenamente a fé na obra criadora de Iavé, a partir de cerca de meados do séc. VI a.C., sendo Is 40-55 [4], o escrito sacerdotal e vários salmos testemunhos e resultados deste processo de assimilação. Dito isso, a fé na obra criadora de Iavé, que tem por quadro e horizonte o cosmos e a humanidade, teria ficado sempre subordinada à fé na sua obra salvífica, que tem por quadro e horizonte a história das relações entre Iavé e Israel.

“A opinião comum teve a sua formulação clássica na Teologia do Antigo Testamento de von Rad, o estudo do género que maior influência exerceu durante o último meio século. A própria Constituição dogmática Dei Verbum do Concilio Vaticano II (1965) deve muito à Teologia do luterano von Rad.

“A primazia absoluta que se atribui à ideia de história da salvação de Israel, a expensas da solicitude de Deus para com toda a criação, foi alvo de contestações mais ou menos radicais. Os seus autores baseiam-se geralmente numa maior atenção prestada aos escritos sapienciais mais antigos, que a opinião corrente não tem em conta. (…) O AT contém assim duas representações diferentes de Iavé. Segundo uma, ele é o Deus criador que abençoa todos os seres vivos; segundo a outra, ele é o Deus que está ligado a Israel, o seu povo, a quem protege e salva.

“Os exegetas não prestaram a estas vozes discordantes a atenção que mereciam. A esmagadora maioria parece nem as ter ouvido. Por isso, ficaram sem eco, não tendo chegado ao conhecimento dos teólogos, dos pastores nem, por maioria de razão, ao público cristão.

 “As minhas pesquisas nesta matéria confirmaram, essencialmente, o resultado dos estudos que referi e, além disso, levaram-me a propor uma hipótese de interpretação do conjunto dos fenómenos religiosos do AT que é nova. A meu ver, o AT documenta a existência de dois sistemas iaveístas diferentes: um fundamenta-se no mito da criação e o outro na história da relação de Iavé com Israel. Simplificando, poderia chamar-se iaveísmo cósmico ao primeiro e iaveísmo histórico ao segundo. Contrariamente à opinião comum, a fé na criação não é um elemento recente, mas constitui a vaga de fundo do universo religioso do AT.”

 



publicado por animo às 11:02
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 27 de Dezembro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

18313714_2tdsj.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FRANCISCO, O REFORMADOR
in DN

1. Foi um dos acontecimentos mais importantes do século XX. Pelas suas repercussões religiosas, políticas, sociais, geoestratégicas. Constituiu uma revolução. Refiro-me ao Concílio Vaticano II, cujo encerramento se deu fez no passado dia 8 cinquenta anos. O que seria a Igreja e, consequentemente, o mundo, se não se tivesse realizado o Concílio? O teólogo Juan Tamayo acaba de elencar algumas das transformações operadas.

Passou-se de uma Igreja, sociedade perfeita, à Igreja Povo de Deus; do mundo considerado inimigo da alma ao mundo como "espaço privilegiado onde viver a fé cristã"; da condenação e anátema contra a modernidade e as religiões não cristãs ao "diálogo multilateral": com o mundo moderno, a ciência, a cultura, as confissões cristãs, as religiões não cristãs, o ateísmo; da condenação dos direitos humanos ao seu reconhecimento e ao combate por eles; da condenação da secularização ao reconhecimento e defesa da autonomia das realidades terrestres; da Igreja "sempre a mesma", imutável, à Igreja em permanente reforma; da Cristandade ao Cristianismo; da pertença à Igreja, condição necessária para a salvação, à liberdade religiosa.

2. Muitas questões ficaram por resolver: por exemplo, manteve-se uma estrutura hierárquico-piramidal e o patriarcalismo, impediu-se o debate sobre o celibato obrigatório... Mas, no seu espírito, o Vaticano II constituiu uma abertura revolucionária, uma primavera de renovação. O problema é que se seguiu um longo inverno.

No dizer do teólogo Xabier Pikaza, havia duas leituras possíveis do Concílio: uma linha de fechamento, dos que pensavam que, passada a tormenta, se voltaria à situação anterior, insistindo na manutenção de estruturas de uma Igreja que tomou a sua forma actual na Reforma Gregoriana, no século XI. "Esta é a linha que triunfou com o Catecismo da Igreja Católica e com o Código de Direito Canónico, que não assumem na realidade o Concílio, pelo contrário, se opõem ao seu desenvolvimento, por medo, por falsa tradição (ou por desejo de controlo da Cúria Romana." Assim, as transformações e a evolução foram travadas.

A outra era uma linha de abertura, como exigiam os "sinais dos tempos". De facto, com as independências, estava-se no termo do colonialismo político, o que exigia, por parte da Igreja, o fim do predomínio do catolicismo europeu e ocidental. A Igreja tinha de passar de uma cultura única, "quase monolítica, de tipo greco-latino e europeu ocidental", a uma Igreja verdadeiramente universal, em diálogo com todas as culturas e assumindo a inculturação. O Concílio percebeu que a Igreja tem uma mensagem transcendente (a presença de Deus), mas também que essa mensagem é "inseparável da presença e acção dos cristãos no mundo", em ordem à justiça e à paz.

3. Não foi por acaso que Francisco, o "Papa misericordioso" (José M. Vidal), escolheu o dia 8 de Dezembro, para inaugurar o Ano Santo da Misericórdia. "Escolhi a data de 8 de Dezembro pelo seu grande significado na história recente da Igreja. Com efeito, abrirei a Porta Santa no quinquagésimo aniversário da conclusão do Concílio Vaticano II. Derrubadas as muralhas que durante muito tempo encerraram a Igreja numa cidadela privilegiada, tinha chegado o tempo de anunciar o Evangelho de um modo novo. Uma nova etapa. Um novo compromisso." Na inauguração, foi claro que quer a Igreja na linha da abertura: "O Jubileu obriga-nos a não esquecer o espírito do Vaticano II, o do samaritano".

Voltar ao espírito do Concílio implica retomar a inspiração do Evangelho, abrindo as portas e as janelas da Igreja. Por isso, Francisco chamou uma Auditoria Externa para que haja transparência nos dinheiros do Vaticano. Avançará, escreve Pikaza, com a reforma da Cúria Romana enquanto tal: "podemos supor que o Papa continuará em Roma, como sinal de unidade eclesial, mas sem Vaticano, no sentido estrito do termo, isto é, sem uma Cúria de poder religioso". Houve quem se apropriasse da Igreja como "sua quinta particular", mas Francisco quer "devolver" a Igreja aos cristãos. Uma vez que a Igreja é todos os cristãos e não uma "superstrutura clerical", os ministérios hão-de ser verdadeiros ministérios, serviços.

4. Há quem deseje para Francisco o que aconteceu a João Paulo I. Mas ele foi dizendo que "as resistências não travam..., impulsionam" e assegurou, há dias, perante a Cúria, que a reforma "continuará com determinação, lucidez e resolução, porque a Igreja tem de estar sempre em reforma". É expectável que na próxima Exortação Apostólica torne possível, como referiu recentemente o cardeal M. Sistach, a comunhão para os divorciados recasados; também admitiu que o preservativo "é um método para prevenir a sida"; há indícios de que o próximo Sínodo possa ter como tema os padres casados, revendo-se então a lei do celibato: este problema, já disse, "está presente na minha agenda".



publicado por animo às 00:54
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Dezembro de 2015
O NATAL DO NATAL

Enquanto os holofotes estavam concentrados unicamente nos Beatles, algures, num Convento De Frades Menores Capuchinhos, no Ameal, Porto, estes seis "poPbres" davam cartas nos finais dos anos sessenta!!!!Cânticos como o Irmão Sol, Senhor fazei de mim um instrumento da vossa paz passavam competamente à margem dos grandes Hits!!!
Nem vós, ó Francisco Amaral, Jorge Afonso ou António Macedo, vos dignastes incluí-los nas vossas "íntimas" play list!!!!Pobrezinhos, era o que era!!!!

toze1Abck.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

vaz3bc1.jpg

 

 



publicado por animo às 22:02
link do post | comentar | favorito
|

O NATAL DO NATAL

Faz de conta que hoje era ontem (cadê o tempo para actualizações na hora!!!) e que se tratou de vir para a rua mostrar os brinquedos que nos surpreenderam no sapatinho deixado na altoalentejana lareira de terra batida, daquele ano de 1955(?): uma viola de madeira, para mim, e uma boneca para a minha querida mana Luisa Colaço!

Foto.Os meus queridos e saudosos Pais , Zé Jacinto e Maria José, com a minha irmã Maria Luisa, em Gavião, no Largo do Espírito Santo.

natalviola1956ab.jpg

 



publicado por animo às 22:01
link do post | comentar | favorito
|

O NATAL DO NATAL

E pronto.
Tudo está desembrulhado.
Todas as ansiedades desvendadas.
Todas as surpresas consumadas.
Todas as iguarias digeridas.
E mesmo curadas foram algumas feridas.
Calaram-se os sms dos telemóveis e com eles as agradáveis sensações de aparecerem amigos que não ouvias à gerações e permanecerem silenciosas as vozes que outrora te rondavam, persistentes, sequiosas.
Resta continuar o Natal do Natal todos os dias.
Sempre que possível igual a ti próprio.
Até pró ano ou até mais logo!

182.jpg

 

 



publicado por animo às 21:59
link do post | comentar | favorito
|

O NATAL DO NATAL

O NATAL DO NATAL

E pronto, a Missa do Galo aconteceu.
Um Menino nos nasceu.
Boas Festas desde o Montijo....
Mas....o meu coração também está em Mação

176.jpg

 



publicado por animo às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

O NATAL DO NATAL

MATINAS

No "mercado da Reforma Agrária", Frente Ribeirinha do Montijo, envolto em refrescante neblina!
As couves para logo à noite já cá cantam.
Vindas dos campos de Sarilhos Grandes, "senhor, cultivadas pla gente, senhor!"

...

Mais imagens mais logo!

040.JPG

 



publicado por animo às 21:54
link do post | comentar | favorito
|

OS NATAIS DO MEU NATAL

ONCE UPON A TIME........

Os meus queridos e saudosos Pais, Maria José e Zé Jacinto, a minha querida irmã Luisa, a minha querida Meninha, as minhas queridas sobrinhas Cristina e Luisa Paula.
Os Natais do meu Natal.

Foto. Alvega, Abrantes 1975 (?).

12390957_990107931061950_91353703703840420_n.jpg

 



publicado por animo às 21:49
link do post | comentar | favorito
|

OS NATAIS DO MEU NATAL

OS NATAIS DO MEU NATAL

A sair da Matriz do Montijo depois do último ensaio do Coral Lux Aeterna que agora me colocaram nas mãos.
Lá estaremos a ajudar o "Coro das sete", amanhã, na Missa do Galo e no dia de Natal, pelas 9 horas da manhã.....na Missa de Natal.

015.JPG

020.JPG

025.JPG

 

 


publicado por animo às 21:37
link do post | comentar | favorito
|

O NATAL DO NATAL

174.jpg

173.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O NATAL DO NATAL

Há muito que não sentia tanto gozo em preparar as couves da Consoada.
Descobrir estética no lado gastronómico das couves "tronchuda" e "penca" da região envolvente ao Montijo tornou o adivinhado jantar em sublime manjar de deuses.
Se a isto juntarmos um tinto alentejano "Piteira-premium", com que fui surpreendido na casa que nos acolheu, está tudo dito quanto ao carácter de excelência de que se revestiu a consoada ora finda.

...

Longe da matricial vila de Mação, é hora de encaminhar os passos para a montijense Missa do Galo.

A infantil gritaria amaina e o Pai Natal - no meu tempo, por terras do meu Gavião natal, bombardeavam-nos com o Menino Jesus, uma realidade bem mais conforme com o natalício espírito - é hora de consumar a capacidade de surpreender de que a quadra faz gala.
Amainaram os SMS.
Dou graças às novas tecnologias que tornaram mais próximos de nós aqueles que há muito não víamos/ouvíamos.
Sabe tão bem saber que aqueles de quem mais gostamos gostam de nós também.
Obrigado.

 



publicado por animo às 21:29
link do post | comentar | favorito
|

O NATAL DO NATAL

O NATAL DO NATAL

Por aqui já se amassa.
Maçada? Outra vez do mesmo?
Qual o quê, só pode repetir quem CONTINUA A QUERER VIVER!!...
Natal, para continuar a NASCER todos os dias!
2
Com a massa a tender, serenamente a aguardar a sua hora de fritura, a tradicional cruz com o "Deus te acrescente que és para muita gente!".
Os olhos também comem!
Mais logo,claro!
Boas Festas,minha gente e...com fartura!

163.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E pronto, ei-las, rendilhadas, à moda alentejana,ou em cova à moda beiroa.
Mãezita, como vês, a tradição não se perdeu, tal como fazias para nós, no final da fritura, com a massa sobrante, aqui estão os três bonequinhos agora para os teus bisnetinhos Francisco, Vicente e Lourenço, que Aí, onde estás mais o teu Zé, acompanhas eternamente.
E agora, ala, a caminho, da casa da Ritinha e Paulo, e dos netinhos Quico e e Lourenço, acreditando que o Joãozinho no Porto, junto do seu Vicentinho, Mãe Marília e Avós do Norte, faça Natal em espírito connosco.

167.jpg

171.jpg

172.jpg

 



publicado por animo às 21:20
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO FREI BENTO DOMINGUES

 

AC_5984.JPG

 

CELEBRAR O NATAL PARA QUÊ
Frei Bento Domingues
In Público, 20 Dez
Fazer família com quem não é da família é continuar a revolução de Jesus de Nazaré, do mundo todo.

1.Se Jesus existiu como realidade histórica – e raros são os que se atrevem a negar - é normal que tenha nascido. Quem reconhecer nele a condição humana no seu ponto mais belo, luminoso e humilhado, é justo que celebre este acontecimento.

As datas e os lugares elaborados para as festas, os cenários, as lendas e os mitos compostos pelas narrativas de S. Mateus e de S. Lucas (sem contar com os apócrifos) reflectem perspectivas teológicas e messiânicas diferentes. Nesses exercícios de antecipação para a infância da missão que apenas se manifestou na vida adulta de Jesus, os seus autores serviram-se dos materiais da cultura ambiente para reconfigurarem uma convicção: com Jesus, o evangelho da paz e da alegria de Deus incarnou na fragilidade humana. A salvação não está na fuga do mundo, mas na sua transformação, a partir das periferias mais condenadas. Como sempre, nas narrativas do Novo Testamento parece que tudo já estava previsto no Antigo, mas é sempre para introduzir o imprevisível.

 Procurar em textos poéticos, lições positivistas de história, geografia ou biologia- “antes do parto, durante o parto e depois do parto” – apresenta-se como uma piedosa invenção para dizer que Jesus é sempre alguém completamente fora de série, na mais precária das situações. Os músicos, os poetas e os pintores da cultura popular e erudita não se enganaram quando deram asas à sua criatividade para fazer ouvir sons futuros de uma humanidade liberta.

Hoje, num clima cultural dominado pelo prestígio da ciência e da técnica, o recurso à crença em milagres, está reservado para os momentos de extrema aflição. Fazer de Deus um tapa buracos das insuficiências humanas é uma das formas mais frequentes de facilitar o caminho ao ateísmo. A fé na presença divina no nosso quotidiano tem itinerários muito diferentes de pessoa para pessoa. As receitas para cozinhar a vida espiritual tornam a comida sem graça. Como respiração da vida e iluminação da nossa noite só pode ser acolhida pelo silêncio intenso e acordada pela grande música: silêncio que cante e música que nos deixe sem palavras. A ponte para o divino exige a transfiguração do nosso olhar e da nossa escuta. A mediocridade é a receita fatal.

  1. Acreditar nos credos é uma idolatria. O dominicano S. Tomás de Aquino, um filósofo, um biblista, um teólogo e um poeta medieval, insistiu em algo essencial e libertador: o terminal do acto de fé não são os “artigos da fé” – estes são apenas mediações - mas a inabarcável realidade de Deus [1]. Para não se cair no fideísmo, a fé não pode saltar por cima da inteligência, nem renegar o seu exercício. Não pode haver assentimento à proposta da fé teologal sem ver nela uma perfeita expansão e superação da inteligência [2]. A simbólica da fé ou dá que pensar e transformar ou aliena. Quem se fixa no dedo que aponta o céu e a urgência da terra, perde o céu e a terra.

O exercício da razão é tão importante que o citado teólogo se atreveu a escrever o seguinte: embora acreditar em Cristo seja, por si mesmo, bom e necessário à salvação, pode, acidentalmente, transformar-se num mal: se alguém, em consciência, pensa que Ele é um mal, peca se o confessar como um bem [3]. No entanto, importa lembrar a paradoxal declaração de I. Kant, no prefácio à primeira edição da Crítica da Razão Pura: ”A razão humana tem este destino singular, num género dos seus conhecimentos, de ser dominada por questões que não pode evitar, pois são-lhe impostas pela sua própria natureza, mas às quais não pode responder porque ultrapassam totalmente o poder da razão humana” [4].

  1. Situar Jesus na lista das grandes personalidades do passado é uma questão de memória cultural e nenhuma se lhe pode comparar. Não deixou nada escrito, mas a sua própria existência é o mais belo e imortal poema de amor. Se há modelo de vida verdadeira, não é preciso ir mais longe, mas ninguém pode dizer que é o herdeiro exclusivo das suas palavras, dos seus gestos. Deu origem a várias narrativas e interpretações. Deixou tudo em aberto. O próprio autor do 4.º Evangelho tem a humildade de ser exagerado: (…) Há, porém, muitas coisas que Jesus fez e que, se fossem escritas uma por uma, o mundo não poderia conter os livros que se escreveriam [5].

COMENTÁRIO
Meu querido Frei Bento, meu querido Paizinho, meu querido Irmãozinho, o que quiser que seja,  porque de facto é da minha/nossa Família, BOAS FESTAS  e muito obrigado pela prenda destas redentoras palavras com que faz/alimenta o nosso NATAL TODOS OS DOMINGOS!

2
Esta a mais saborosa prenda do meu Natal que nenhum "cofrée" de Davidoff, um qualquer Iphone último grito, o que quer que seja do domínio do TER, pode superar.
Sim, é IMPERDÍVEL esta prenda do domínio do SER.
SOU tão feliz!
Obrigado, outra vez!
antónio colaço

 



publicado por animo às 19:13
link do post | comentar | favorito
|

CONCERTO DESLUMBRANTE ENCANTA NATAL DOS MONTIJENSES

concerto de Natal do cram
MONTIJO DESLUMBRADO E RENDIDO
COM A QUALDADE DO CONCERTO OFERECIDO...

A Matriz do Montijo foi pequena de mais para o Grande Concerto de Natal oferecido à população.
Uma tradição que se vai enraizando, e a que ninguém, que gosta de música ,quer faltar.
Enquanto se aguardava pela abertura das portas da vetusta Matriz, cá fora, um manto de fumo vindo das várias fogueiras com que os escuteiros celebravam, ao vivo, o ambiente do Natal de há mais de dois mil anos, como que abria o apetite para o aguardado ambiente celestial.
Sob a direcção do maestro Carolino Carreira e ainda das maestrinas Ana Gato e Elsa Gomes, foi possivel ver desfilar os Coros Infantil e Juvenil bem como a Orquestra Sinfónica de Sopros e Percussão, interpretarem temas alusivos ao Natal, com destaque, quer para a Missa Brevis de Jacob de Hann, quer para as vozes infantis interpretando temas como O Inverno, de Margarida Fonseca ou The First Nowel, tema tradicional inglês, entre outros.
No final, Ilídio Massacote, o director do CRAM, e ilustre intérprete de Tuba ( é bom relembrar que integra a Orquestra do Teatro Nacional de S.Carlos) era um homem feliz e que agradeceu a todos a presença e os fortes aplausos, sinal do contentamento havido, e a todos desejou Boas Festas.
Quase que diríamos ser um crime resumir em cinco minutos um concerto que, durante mais de uma hora, encantou todos os montijenses que subiram à Praça da República.
antónio colaço

(In página FB da Afpdm/EPM)

 



publicado por animo às 08:55
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 20 de Dezembro de 2015
UM VIOLINO NO CHIADO

LISBOAS
UM VIOLINO NO CHIADO

A câmera permanece sempre fixa.
Fixa os passos apressados do natalíco vai e vem consumista....
Não há tempo para reparar em quem apenas tem música para dar a desfrutar.
(É comovente o momento em que um cãozinho deixa a dona e se aproxima dos músicos abanando a cauda de contentamento!!)

Por favor, alguém com poder televisivo que me agarre, JÁ, nestes dois insolentes que ousaram perturbar a minha caminhada, Chiado acima, e me obrigaram a ir a uma loja ali perto para me destrocar a única notita que tinha (mereciam-na, não duvido!) e deixar a tradicional moedinha com que premeio quem assim me sai ao caminho. e lhes dê a visibilidade que MERECEM.

Reconheço que o meu pudor em filmá-los e a consequente má captação de som só podem ser redimidos quando os puder ver e ouvir refastelado à minha lareira num qualquer canal televisivo perto de mim.

Obrigado.
Nem o nome tive coragem de lhes pedir (para não interromper) apenas um "Obrigado, muito bom!!".

Imagens recolhidas junto da HM, na Rua do Carmo.Lisboa, 19 de Dezembro 2015.

 



publicado por animo às 02:14
link do post | comentar | favorito
|

PERTO DO PRINCÍPIO

 

12359985_987110408028369_6716176084059234677_n.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3136_443833355667147_1645457424_n.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PERTO DO PRINCÍPIO

Aguardo em concorridas filas para pagamento, algures, em grande zona comercial.
Deixo que, lentamente, a memória me reconduza à velhinha "Praça", Cardigos, anos 60...
A loja do Ti Alexandre, a loja do Sr. Amílcar,a loja do Jaquim Mata, a loja do Sr.Álvaro, as taberna do Zé Cascão e do Ramiro Cardoso, a alfaiataria do Mário Alfaiate, a taberna e mercearia do Mário Padeiro, a loja do Tonho das Mobílias, as tabernas do sr. Zé Silva, do Luís Córeta, a barbearia... do Ti Zé Pedreiro,a fábrica de velas do Sr Mário Tavares, a fábrica de velas dos Silvas, o Café do Tonito, a barbearia do Tonho Pires, os Lagares de azeite do Alberto Tavares e do Amílcar,....
Sinto o cheiro dos quartilhos de café, das postas de bacalhau, do pão ainda a cheirar a lenha e .....vai-me um frenesi nas narinas!
Tão intenso o presente deste longínquo passado que quase se confunde com este agora-dos-dias onde tudo está embalado, pesado, formatado....

Estarei à espera na fila para pagar, sim, mas NUNCA para apagar de mim estes dias matriciais.



publicado por animo às 02:14
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

ANDRÉS TORRES QUEIRUGA EM...

PE ANSELMO BORGES SOMA E ...

SEARAS ESCOLA DE VIDA

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

SIM AO CREDO DOS VALORES

SUBSTITUIMOS O CREDO DOS ...

HOJE, TODOS À GULBENKIAN ...

QUARENTA E TRÊS . FAZER O...

PE ANSELMO AO ATAQUE NA D...

PE ANSELMO BORGES AO ATAQ...

MÁSCARAS, INFERNO E OS BU...

arquivos

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds