Domingo, 4 de Novembro de 2012
WEBANGELHO SEGUNDO FREI BENTO DOMINGUES

IDOSOS, ÉTICA E REFORMA

IN PÚBLICO

 

1 Vivemos numa sociedade paradoxal: por um lado, alegramo-nos com o aumento da esperança de vida; por outro, os idosos são acusados de levar muito tempo a morrer. Gastam, não produzem e ainda se sentem no direito a receber uma reforma ou uma pensão dignas. Mas os casais novos também não escapam à censura: são responsáveis por sermos um país de velhos. Tinham obrigação de ter mais filhos. Como são egoístas, não se importam. Diz-se que lá virá o dia em que também eles verão as consequências desta falta de previdência.
Mais do que paradoxal, é niilista: não aguenta nem os idosos nem os novos. Se há queixas contra os idosos, os novos estão a ser preparados para nada. Diz-se que Portugal perde 2,7 mil milhões por causa de jovens inactivos. A grande alternativa parece ser a emigração, que não é um crime, mas esses jovens foram educados em Portugal e vão-se embora, sem pensar em ajudar quem por eles se sacrificou. Quando uma sociedade deixa de ser sujeito do seu destino e passa a ser objecto de contabilidade, não se vê possibilidades de acerto. As pessoas queixam-se de serem exploradas pelo Estado e o Estado diz que elas estão a ficar muito caras. Sentem-se todos prejudicados.
A nossa sociedade talvez não seja nem paradoxal nem niilista. Parece irreflectida.
Pensar em termos simplistas, como os que acabei de evocar, é o modo mais habitual de funcionar com os estereótipos, muito facilitados com a redução de tudo a números. Levou-se muito tempo a pensar em termos de deveres e direitos humanos, deveres e direitos de pessoas, sujeitos de dignidade. Agora, a propósito de tudo e de nada, só se pergunta quanto se perde e quanto se ganha. É um jogo de abstracções. As abstracções não choram, não riem, nem protestam. Uma boa máquina de calcular tornou-se o supremo órgão do pensamento. Os cursos de filosofia, de literatura, de teatro, de cinema, de música são artes de empobrecer alegremente, salvo casos geniais, que se descobrem, sobretudo, depois de mortos.
2. Para I. Kant, o ser humano não tem preço, tem dignidade. Nunca deverá ser um meio. É sempre um fim. Nas sociedades pluralistas em que vivemos, se os imperativos éticos não forem incondicionais, se a moral não tiver uma justificação, uma fundamentação, estas não serão pluralistas, mas relativistas, pois não haverá distinção entre bem e mal, tudo será aceitável - "vale tudo" -, basta que corresponda às tendências actuais, aos desejos de cada um, à moda. A pura actualidade sem horizonte, dominada pelo corrupio das notícias, sem referência a uma orientação de longo alcance, tende a considerar tudo provisório, com medo do império de falsos absolutos. Será uma época que tem cada vez mais recursos, mas também um tempo de "meios sem fins".
As propostas éticas - que não sejam a sua negação - estão todas inseridas numa tradição. Procuram interlocutores na história.
Paul Ricoeur, sem juramentos de fidelidade ortodoxa a nenhuma delas, situou-se na confluência das tradições aristotélica e kantiana. Apresentou, várias vezes, o seu programa, da forma mais sintética: "A ética tem como objectivo a vida boa, com e para os outros, em instituições justas."
Como diz A.-J. Festugière, a norma para o grego não é "tu deves" (como é para Kant), mas "tu podes" ser humano, podes ser feliz.
Onde está o fundamento ético da reforma? Encontra-se na historicidade da condição humana. Não somos, vamos sendo. Importa que em todas as idades da vida, possamos contar com previdências e providências pessoais, comunitárias e sociais, para quando já não tivermos condições para cuidar de nós e dos outros.
Numa civilização pragmatista, os idosos não valem, estorvam; estão fora de prazo de validade. Paradoxo: caímos numa sociedade de idosos sem saber o que fazer com eles. Mas os reformados não podem ser indesejados e arrumados a um canto, à espera da morte, com medo ou como alívio.
3. Na chamada 3.ª idade reproduzem-se todos os aspectos da vida. Os idosos podem ser acarinhados ou maltratados, considerar-se indispensáveis ou a mais. Com a reforma - cuja idade pode variar - cessa a vida profissional, mas não acaba uma competência desenvolvida ao longo da vida. Deverá ter oportunidade de servir a comunidade, de fazer voluntariado, onde puder e quiser. Os idosos têm muito para dar, mas precisam de quem mostre alegria em receber.
Diz-se que já não produzem, mas quem contabiliza o que eles representam na família e na sociedade? A vida humana só se conta em euros? Fundamental é a sabedoria, mas quem sabe o seu preço?
Os idosos foram, em todas as culturas, considerados a sua memória viva. Fazem falta aos gestores de hoje. Os bons conselheiros não são, apenas, as pessoas de grande competência técnica. Sem sabedoria deita-se a perder o que ilusoriamente se ganhou.
Como escreveu Catarina Nunes, "um dia o mundo será um grande lugar onde ninguém é visto como velho, mas como alguém mais adiantado na jornada da vida". A isto se poderá chamar solidariedade entre gerações.



publicado por animo às 10:23
link do post | comentar | favorito

Sábado, 3 de Novembro de 2012
MONTIJOS, REGOZIJOS E ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE OS PODERES DO PODER

Hoje foi uma tarde dedicada a perceber o alcance da presença das três obras de arte que integram a exposição A ARTE NÃO EXISTE, A ARTE SOMOS NÓS, na entrada principal do Forum Montijo.

Um privilégio que nunca tinha tido ocasião de desfrutar.

Por opção quis manter-me afastado.

Não foi fácil. A vontade para conversar com aqueles que por ali demoraram algum do seu tempo foi enorme.

Perceber o que lhe diziam aqueles "objectos" que fazem parte do seu quotidiano.

Perceber algumas adivinhadas conversas de que ouvi pequenos apartes, tipo, "olha parece a minha Sachs...", ou, imagino, "também tenho lá por casa algumas velharias, ainda a semana passada atirei para o lixo...."

 

Os textos que se seguem foram escritos esta tarde no Forum e editados no Facebook.

Valem o que valem até ao dia em que, com mais serenidade, consiga dar mais alguma consistência às reflexões que continuo, afortunadamente, a fazer!

Um obrigado enooooorme aos meus amigos Fernanda e Manel Domingues, que, surpresa das surpresas me telefonaram do Forum:não puderam ir a Oleiros.Ali estiveram esta manhã!Lindo!
Obrigado

A almoçar no Forum com vista privilegiada para os meus filhotes artísticos que se oferecem em generoso deleite aos milhares de olhares entrando e saindo na porta principal deste grande Forum.

Um voyeurismo que me causa vertigens.

Um inesperado deslumbramento que parece querer toldar-me as vistas, fazendo com que releve notícias,entrevistas,grevistas, sinais e pistas para perceber como corremos demasiado velozes para o precipício que calará as nossas vozes.

Mas são portugueses, desses, aqueles que param a mirar, a apontar, a fotografar, estas três peças das muitas outras guardadas no Museus Municipal e com que proclamo que A ARTE NÂO EXISTE.A ARTE SOMOS NÓS!

Deverei ter pudor destes dias maiores?

Deverei,antes, perceber que, 40 anos depois, a Arte quer convocar-me para inadiáveis desafios maiores?

Obrigado.

2

Assentado junto ao Lago da Praça,no Forum Montijo,não páro de fixar num cinematográfico travelling que me deixa exausto, este mar de gente que aqui acorre vindo de muitas terras em redor, dizem-me, desde Évora acima (nota-se,aliás, um acentuado alentejanar nos diálogos)e pergunto-me que originalidade me assiste para reclamada atenção ao que faço.

 

(Confesso:não largo o telefone em busca de mediático apoio para a divulgação do que por aqui se passa, até dia 8 de Novembro, e vai passar no próximo dia 10 de Novembro, sábado!Em vão consigo que me atendam alguns amigos que num passado recente procediam de forma contrária....)

 

Por que tem de haver alguns de entre nós que se julgam com direito a ser alvo de atenção o trabalho,artístico, no caso,que fazem? Afinal, a Arte não existe, a Arte não somos nós? Narcisismos mal resolvidos....ó balha-me Deus...z..

 

NR

A este texto, escrito, esta tarde, no Facebook, seguiu-se o diálogo que transcrevo:

 

 

  • Arménio Silva DuquePareces-me desanimado. No dia 10 verás que não tens razão para esse desânimo. Força rapaz!
  • Ânimo Dias Mais LevesArmééééénio, onde tu me vês desanimado deverias,antes, ver-me preocupado com este excessivo,inesperado e imerecido deslumbramento,rapaz!
    Sinto que o Montijo me abre as portas mas receio que me deslumbre com tantas apostas!
    Um dos nossos problemas,sen
    ão o principal,é de que os nossos amigos que alcançaram o Poder, deixaram levar-se pelo deslumbramento que traz e,esquecendo-se das origens,nunca mais nos deixaram em paz!
    O poder, Arménio, TODO O PODER,é de uma fome insaciável e em regra deixa quem o experimenta, insociável!
    Era só sobre isso que tenho estado esta tarde a reflectir.
    Agora mesmo juntei-me ao riso de uma família inteira perante a beleza da minha Sachs!
    Deste silencioso protagonismo eu gosto!
    Acho que hoje já fiz felizes muitos que já por aqui passaram!
    Queres que arrote presunção,toma nota:a minha Sachs bate à distância a lata de sopa do Andy Warhol!
    PIM!
    Eu avisei-te!
  • Arménio Silva DuqueE com a tua maneira de ser, muitas outras irás fazer felizes. Continua que estás no bom caminho.
  • Joao Paulo AlmeidaSinto tambem desânimo neste desabafo. Mas não deves estranhar que esses tais agora estejam indisponiveis para a tua busca de apoio mediatico, dantes eles precisavam de ti, agora tu precisas deles, mas eles acham que nada tens para lhes dar em troca. Esses não são jornalistas são jornaleiros. Força camarada Antonio, nada de desânimos ! Dia 10 vai ser uma uma emoção!
     

 



publicado por animo às 23:12
link do post | comentar | favorito

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

 

Pe Anselmo Borges

LUTO(S).AS LÁGRIMAS DE DEUS

In DN

 

Como escrevi aqui no Sábado passado, o luto é dor pela perda, principalmente pela morte de alguém. Há muitos tipos de perda, mas a perda principal é a morte. Quanto mais fortes forem os laços com alguém maior a dor e o luto, que pode considerar-se o outro lado do amor.

O luto, excepto quando não houve o trabalho sadio do luto e, assim, se tornou patológico, não é, pois, uma doença, mas tão-só a expressão da dor pela morte de alguém significativo.

Trata-se de uma dor que afecta as múltiplas dimensões do ser: física, psíquica, espiritual, social, sendo, por isso, a reacção à perda igualmente variada: choque, negação, tristeza, depressão, culpabilização, raiva, ansiedade, desinteresse pela vida quotidiana, fadiga, desamparo, com expressões físicas, como perturbações do sono, problemas gástricos, sensação de vazio físico e psíquico...

Há vários tipos de luto. Pode ser antecipado: face à perda iminente de alguém. Há o luto caracterizado como ambíguo: pense-se no caso da perda por ocasião de um rapto e se ignora se a pessoa está viva ou morta ou no caso de se viver em presença de uma pessoa com Alzeihmer: ela ainda está viva e já está "morta". Há lutos mais complicados, porque não são ou podem não ser reconhecidos: pense-se no caso dos homossexuais, que perdem o/a companheiro/a, ou dos que perdem o/a "amante". Há lutos retardados: não foram feitos no devido tempo, e lutos crónicos: as pessoas nunca mais enterram os seus mortos e as energias ficam todas fixadas no passado, instalando-se a incapacidade de reintegração na sociedade e reinvestimento na vida que continua. Há lutos encobertos: o luto não foi elaborado em termos sadios e manifesta-se de modo mascarado, por exemplo, numa doença pela qual, inconscientemente, se quer chamar a atenção. Para a morte de um filho nem há nome: quem perde o pai ou a mãe fica órfão, o viúvo ou a viúva perderam a mulher ou o marido; mas que nome se dá ao pai ou à mãe que perderam um/a filho/a?

No luto, elabora-se a dor e aprende-se a pensar sem culpa sobre a perda, a exprimir sentimentos e a partilhá-los. É uma resposta física, emocional, cognitiva, social e espiritual a uma perda significativa.

O que se pretende é o caminho da aceitação da realidade - superar a negação, aceitar a morte como morte. Mesmo que possa haver alucinações, é preciso compreender e aceitar que a morte é morte e que o morto nunca mais regressa a este mundo. Por outro lado, dar expressão aos sentimentos e partilhá-los: nomear o que se sente. Os sentimentos não são morais, lembra o especialista José Carlos Bermejo - este texto é devedor a um Simpósio sobre o tema, organizado em Ponta Delgada pelo Padre Paulo Borges, no qual também participou.

Outro objectivo: adaptar-se ao ambiente em que o defunto já não está, o que implica a capacidade de, com o tempo, desmontar os lugares e as coisas do morto: é preciso fazer as pazes com os espaços do outro definitivamente ausente, e compreender que é necessário investir noutras realidades - investir energia emotiva noutras tarefas e relações. Pode-se de novo viajar, sorrir, viver a vida.

O caso das crianças é especial. Não se deve mentir, dizendo, por exemplo, que a pessoa querida foi viajar, pois isso significaria que a abandonou, mas deve-se perguntar pelas suas preocupações, fomentar o diálogo e a recordação, ouvi-las, permitir a participação em rituais, explicando e dirigindo-se expressamente a elas. Dizer claramente que se não compreende. Apresentar a natureza, onde também se morre, como comparação.

O luto é um processo, que pode durar 6 meses e pode ir até 1-2 anos. Os rituais - velório, enterro, cremação - têm papel decisivo. A religião pode ser uma ajuda fundamental, na medida em que vem em auxílio com a fé no Deus da Vida contra a morte.

E aí estão as pessoas, com a capacidade de acompanhar a pessoa enlutada, sabendo ouvi-la ou estar em silêncio, indo ao encontro das suas necessidades, deixando-a falar e chorar. Diz a tradição judaica que, quando Deus viu a tristeza de Adão e Eva, após a expulsão do paraíso, lhes deu as lágrimas como consolação. E no Talmude também se fala das lágrimas de Deus.



publicado por animo às 23:10
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 2 de Novembro de 2012
A CAMINHO DO 10 DE NOVEMBRO

De volta da tela "MORTE E RESSURREIÇÃO DE UM JACARANDÁ".

No intervalo, de volta do "Sistema da Arte Contemporânea" de Alexandre Melo e "História Social da Arte e da Literatura", de Arnold Hauser.

 As primeiras sessões de trabalho no Atelier estão prontas.

Faltam os trabalhadores da Arte!

antónio colaço



publicado por animo às 23:09
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 1 de Novembro de 2012
BOLINHOS, BOLINHOS, À PORTA DOS SEUS SANTINHOS!!!!

 

 No meio dos frenéticos dias em que tenho vivido, quase me passou ao lado este grande dia que nos fazia saltar pela manhã, bem cedo, da cama e, em bando, com a miudagem do bairro do Quintal da Estrada, em Cardigos, lá partíamos pelos lugarejos mais próximos, a Lameirancha à cabeça, na gostosa ansiedade de regressar com a bolsinha de retalhos bem composta!
Hoje, tive a melhor surpresa do dia, eu que de tão deslumbrado com o Forum Montijo a meus pés mais nada vi  (ó balha-me Deus...zzz), quando me telefonou o meu grande amigo da cardiguense infância, Tózé , como eu, irrompendo pela tarde, a sua voz carregada de toda a minha esquecida saudade:"Bolinhos, bolinhos, à porta dos seus santinhos!!!!"
 Normalmente, sou eu quem usa e abusa destes telefonemas incomodando os meus amigos, mas, hoje, esta lembrança convocou-me para aqueles dias.
 O meu querido irmão cardiguense quis dizer-me qualquer coisa do género:"NÃO ÉS DE CÁ MAS ÉS UM DOS NOSSOS!"
 Sempre!!!
 Toma, Tózé! As Broínhas de mel que faziam as nossas delícias.
 Em Cardigos, ou no Montijo, meu caro, que regozijo ter-te como amigo!
Sempre!
antónio colaço


publicado por animo às 23:54
link do post | comentar | favorito

UMA SENSAÇÃO INDISCRITÍVEL

Que sensação indiscritível!   O Forum a abarrotar de gente,que entra e sai, ciranda, mira, fotografa - quantos são?!quantos são?!- e o CRAM a ser alvo de atenção nestes seus primeiros produtos!  





A "QUADRIGA", quem diria,pintada para a romana Évora, ganha, aqui, outro peso!  

Até quase me sinto no Forum romano.....  

Que conversas?  Que confessadas exclamações em torno dos meus filhotes, eu que os observo, discreto, aqui bem por perto mas tão longe para perceber um sinal sequuer?  


É, de facto,uma sensação indiscritível: perceber que nas poucas horas que por aqui passei, milhares de visitantes ultrapassaram, largamente, todos aqueles que terão visitado as minhas tantas exposições neste 40 anos!!!!  

Obrigado.  

PS

CONVITE

Vem juntar-te a esta alegria.De facto, a Arte não se esgota na Galeria. Aqui, no Forum Montijo até dia 8 de Novembro.

 

Estão todos convidados, no entanto, para a inauguração da exposição  A ARTE NÃO EXISTE. A ARTE SOMOS NÓS, no sábado, 10 de Novembro, a partir das 15horas, nas instalações do Museu Municipal, no Jardim da Casa Mora e onde daremos o primeiro passo para a criação pelo CRAM-Conservatório Artes Montijo, do seu Atelier de Artes!!!

Muita animação com música por alguns dos músicos do CRAM/Música ( esperamos fazer uma perninha!), água pé, castanhas, licores.... Um CONVITE da AFPDM-Associação para a Formação e Desenvolvimento Profissional do Montijo.

antónio colaço


publicado por animo às 22:18
link do post | comentar | favorito

O CRAM DESAFIA VISITANTES DO FORUM MONTIJO A VIAJAR PELO MUNDO DAS ARTES

Aí estão eles, na entrada principal do Forum Montijo, alguns dos trabalhos da Exposição A ARTE NÃO EXISTE. A ARTE SOMOS NÓS,desde as 02.15 da madrugada, depois de árduo mas gratificante trabalho com o Prof Ilidio Massacote, Director Pedagógio do CRAM.
Por lá vão ficar até dia 8 de Novembro, quase véspera do dia 10 de Novembro,15 horas, no Museu Municipal, data oficial para a abertura de mais uma valência do CRAM-Conservatório Regional de Artes do Montijo, agora dedicada ao mundo das artes plásticas
 
 Ontem, cansados mas satisfeitos, ao olharmos para a nossa "obra prima" ouvi as sábais palavras de Ilídio:"E não é que se comemoram hoje os 500 anos da conclusão da pintura da Capela Sistina!!"
Enfim, "Michelangelos" de nós!!!! (Ó balha-nos Deus...zzz...)
Mais uma ocasião para agradecer a todos os que tornaram realidade este sonho que começa a concretizar-se, desde Amélia Antunes, presidente da Câmara, ao incansável Prof João Martins, presidente da AFPDM-Associação para a Formação Profissional e Desenvolvimento do Montijo e da EPM-Escola Profissional do Montijo para não falar do Prof Ilídio Massacote com quem mais directamente vamos lidar no CRAM.
A força associativa do Montijo é uma garantia para que os montijenses, naturais e residentes adiram e participem em mais uma iniciativa de cujo equipamento passam a dispor.
À Dra Carla Ferreira, directora de marketing do Forum Montijo, uma vez mais, obrigado, pela abertura demonstrada e que vai ter continuidade noutras acções com o CRAM.
Façam favor de viajar connosco!!!
antónio colaço
apoio
ilídio massacote


publicado por animo às 10:47
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

DA ARTE E DOS ESPAÇOS INE...

OBRIGADO, MANUEL

ANTONIO COLAÇO NO "VOCÊ N...

PE ANSELMO BORGES NOS ANI...

ANA SÁ LOPES NOS AAAANIMA...

ANA SÁ LOPES NOS ANIMADOS...

O OUTRO LADO DO AAANIMADO...

LISBOAS

CHEF PEDRO HONÓRIO OU AS ...

BALANÇO FINAL . JOAQUIM L...

REGRESSARAM OS AAANIMADOS...

IN MEMORIAM ANTÓNIO ALMEI...

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds