Sábado, 26 de Novembro de 2011
WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

 

Mais palavras para quê sobre A PALAVRA que assim nos interpela e nos convoca para o que verdadeiramnente importa mudar em nós e na nossa maneira de estar?!

(O Pe.Anselmo ficará satisfeito se aqui dissermos que também ,hoje, no Expresso, Miguel Sousa Tavares assina um grande texto neste sentido, embora sem a profundidade que aqui encontramos.

De facto, esta crise é mesmo uma crise de crescimento.Há que perceber os sinais se queremos crescer MAIS e,sobretudo, MUITO MELHOR.Quer dizer, para nos sentirmos  e sermos MELHORES!

Outro grande  WEBANGELHO de Anselmo Borges!

 

 

Pe Anselmo Borges

In DN hoje

 

Como escrevi aqui, no sábado passado, a crise faz parte da realidade. A evolução, desde o Big Bang, há 13 700 milhões de anos, foi deparando com crises e até becos sem saída, mas encontrou oportunidades, foi oportunista: a prova é que estamos cá.

Há transformações que implicam a mudança de paradigma - paradigma é, segundo Th. Kuhn, "an entire constellation of beliefs, values, techniques, and so on, shared by the members of a given community" (uma constelação total de crenças, valores, técnicas, etc., partilhados pelos membros de uma determinada comunidade). Ora, os paradigmas entram em crise. Por exemplo, o paradigma moderno entrou em crise e já se fala em macroparadigma pós-moderno: já não eurocêntrico, pois o mundo tornou-se multipolar; já não androcêntrico, pois tem de haver parceria entre homens e mulheres; a economia de mercado tem de ter sentido social e ecológico; impõe-se o diálogo inter-cultural e inter-religioso...

A crise de que se fala é a crise económico-financeira. Mas, mais uma vez, indo até ao étimo - crise e crítica, do grego "krinein", discernir, explicar, julgar, resolver um litígio, explicar, decidir, e oportunidade, de "opportunitas", ocasião favorável, "opportune", a tempo, "opportunus", que impele para o porto -, não se vê que as crises, vinculadas à crítica, podem ser também oportunidades?

Não provém a presente crise da lógica do capitalismo neoliberal desregulado e da ganância devoradora? Então, no quadro de problemas globais, não precisamos de uma "global Governance", instâncias políticas globais? De uma refundação das Nações Unidas? De um imposto sobre as transacções financeiras? Da regulação dos mercados, essas entidades anónimas destruidoras da vida de milhões e milhões de pessoas? E do fim dos paraísos fiscais? E de ética, melhor, de homens e mulheres éticos na política e na economia?

Aí está a oportunidade para pensar. Não é tempo de reflectir, decidir, procurar o verdadeiro porto? Afinal, valemos sobretudo pelo ter ou pelo ser? Não é o tempo favorável para se exaltar com a existência? E retomar as alegrias simples da beleza de uma simples folha de erva que abana ao vento e de um pôr do Sol a dançar no mar?

De qualquer mo- do, é preciso perceber que o trabalho é um bem escasso, a distribuir equitativamente, e que, num mundo limitado, não é possível um progresso ilimitado. Precisamos de outro modo de viver, no qual a volúpia do consumismo seja substituída pela intensidade da vida, moderada e no seu melhor.

Está aí a crise da Igreja. Mas não implica ela a oportunidade para a conversão? Não tem a Igreja de recentrar-se na mensagem de Jesus: o amor a Deus e o amor solidário e eficaz ao próximo?

Quem pode pôr em dúvida a dramática crise de Deus? Parece confirmar-se o anúncio do louco, que Nietzsche põe a anunciar a morte de Deus. Qual Deus? Não tinha de morrer o deus que envenena e impede a vida e a alegria dos homens e das mulheres, humilhando-os e tolhendo-lhes a existência? Mas o Deus de Jesus é o Deus do amor, que abre horizontes de futuro e de humanização: o seu interesse é a vida expandida e realizada dos homens e das mulheres. Afinal, como disse Heidegger, na sua última entrevista, "só um Deus nos pode salvar". Não anda a humanidade perdida no sem-sentido? Então, não está hoje Deus presente pela sua ausência, porque ele é o sentido de todos os sentidos? Não precisamos de encontrar o sentido último?

A morte é a crise final. Ora, não são as nossas sociedades tecnocientíficas, urbanas, as primeiras, na história da humanidade, a fazer da morte tabu, o último tabu? A crise toda concentra-se e manifesta-se na crise da morte. A nossa sociedade, afundada no ter, no poder, no cálculo, na eficácia, perante a morte, não sabe o que fazer. Uma sociedade poderosíssima nos meios, mas sem verdade e finalidades humanas, faz dela tabu: disso não se fala. Mas, se o pensamento sadio da morte reentrasse, faríamos a tempo o que temos a fazer e saberíamos finalmente distinguir entre o que realmente vale e as ilusões do que não vale e que é causa última da nossa crise.

 

 



publicado por animo às 22:23
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

DA ARTE E DOS ESPAÇOS INE...

OBRIGADO, MANUEL

ANTONIO COLAÇO NO "VOCÊ N...

PE ANSELMO BORGES NOS ANI...

ANA SÁ LOPES NOS AAAANIMA...

ANA SÁ LOPES NOS ANIMADOS...

O OUTRO LADO DO AAANIMADO...

LISBOAS

CHEF PEDRO HONÓRIO OU AS ...

BALANÇO FINAL . JOAQUIM L...

REGRESSARAM OS AAANIMADOS...

IN MEMORIAM ANTÓNIO ALMEI...

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds