Terça-feira, 13 de Janeiro de 2015
WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

17120157_Ub7ZOkk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O TEMPO DA FALTA DE TEMPO

Pe Anselmo Borges, in DN 10.1.2015

 

Como é que ganhamos cada vez mais tempo e todos se queixam de terem cada vez menos tempo? Recentemente, a revista DerSpiegel dedicou um interessante estudo precisamente a este paradoxo, e é nele que me inspiro.

Claro que nos tempos que correm se poupa imenso tempo. Por exemplo, desde o século XIX, foram tiradas, em média, duas horas ao tempo do sono. Dada a velocidade crescente dos meios de transporte, deslocamo-nos mais rapidamente. Poupa-se tempo na criação de animais. Poupa-se tempo na aprendizagem. Também na comida, que já se compra feita, e nos encontros, que se dão cada vez mais através das novas tecnologias, e, mesmo aí, por abreviaturas na escrita (por exemplo, K (que), PF (por favor). Espantosa a diminuição do tempo de trabalho: o que são as actuais 35 ou 40 horas teoricamente dedicadas ao trabalho por semana comparadas com as 57 a mourejar, há cem anos, e 82, em 1825? Até para a morte já se pensa, para poupar tempo, em serviços de funeral a acompanhar pela internet.

 

No entanto, há sempre imensas coisas que ficam e que estão aí ainda para fazer, e é preciso apressar-se cada vez mais. Mais rápido! Mais depressa! E é levantar à pressa, ver e enviar e-mails ainda antes do pequeno-almoço, acordar os filhos e prepará-los para a escola, pequeno-almoço, mais e-mails, telefonemas enquanto se conduz, no gabinete, imediatamente para a net, ler a imprensa, trabalho, almoço em pé, estar permanentemente acessível pelo telemóvel e, de tarde, a mesma coisa, regressar a casa, televisão e as notícias, deitar, esgotados... E cada vez menos tempo para si e para a família. E as pessoas a queixarem-se: segundo o Instituto Forsa, 59% dos alemães apresentaram, entre os propósitos para 2013, "evitar e baixar o stress"; metade dos entrevistados desejava "mais tempo" para os amigos e a família. De facto, o stress parece ser "a situação constante".

O que é que se passou? Será que o progresso científico facilitou realmente o dia-a-dia? O sociólogo Hartmut Rosa tem as suas dúvidas e, para não citar o imenso tempo de espera nas filas de trânsito, dá o exemplo da comunicação digital: claro que um e-mail é mais rápido do que uma carta tradicional, mas "penso que entretanto você lê e escreve 40, 50 ou 70 e-mails por dia. Por isso, precisa de muito mais tempo para a comunicação do que antes da internet". E é evidente que também se viaja infinitamente mais e há muito mais ofertas e solicitações em tudo. De qualquer modo, "temos uma ditadura da economia que se impôs em todos os domínios da vida", escreve M. Liebmann, e, segundo K. Geissler, "o Homem permite-se cada vez menos pausas. Assim, a privação de pausas é uma forma de tortura." Outro motivo para a pressa e a aceleração encontrar-se-ia, segundo Rosa, na secularização da sociedade ocidental. Uma vez que cada vez menos se acredita na vida para lá da morte, já não faz sentido fazer melhor na outra vida, a vida eterna; então, o homem moderno pensa que tem de fazer tudo o que quer em 70, 80, 90 anos, tornando-se a aceleração o "substituto da eternidade".

Antes, talvez as coisas fossem mais agradáveis. Hoje, é preciso andar sempre mais depressa, de tal modo que já não se consegue ter algum sossego. Veja-se estas duas experiências. Cientistas da Universidade da Virgínia levaram pessoas de todas as idades para um espaço agradável e pediram que ficassem durante cinco a 15 minutos sentadas e entretidas com os seus pensamentos; a maioria reagiu com sinais visíveis de mal-estar. Noutra investigação, havia a possibilidade de durante os 15 minutos de tranquilidade darem a si mesmas um pequeno choque eléctrico. Resultado: dois terços dos homens e um quarto das mulheres preferiram dar a si mesmos pelo menos uma vez um choque a ficar simplesmente sentados e quietos. Um homem deu a si próprio 190 choques.

Neste contexto, cai-se no perigo, como preveniu o famoso bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes, da "agitação paralisante e da paralisia agitante". E quando é que se pensa e se vai ao essencial em todos os domínios? Perdido o ócio, só resta a sua negação, isto é, o negócio. Quantos se recordam de que a palavra escola vem do grego scholê, que significa precisamente ócio? Não o ócio da preguiça, mas o ócio da liberdade, para pensar, que, por sua vez, vem de pensar e, pesar razões para as boas e grandes decisões, também na política. "A política precisa de mais momentos de desaceleração e de reflexão para debruçar-se sobre decisões fundamentais", disse Andreas Vosskuhle, presidente do Tribunal Constitucional da Alemanha. E o antigo vice-chanceler Franz Müntefering: "Quando um Parlamento já não tiver tempo para discutir, consultar, reflectir e então decidir, vencerão os sistemas autocráticos, que não respeitam ninguém."

Mais uma vez, o sociólogo e filósofo Hartmut Rosa: "A questão não é que velocidade atingimos, mas em que medida ela é boa para uma vida boa." Afinal, quando vivemos de verdade?

 

Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Apoio:blog pela-positiva.Obrigado.

COMENTÁRIO

 ARRANJA UM POUCO DE TEMPO PARA LERES E CONTEMPLARES!!!!
Imperdível.
Obrigado, Pe Anselmo, por dedicar o seu tempo a pensar na nossa falta de tempo e, assim, o tempo que porventura perdeu, significou ganho de causa (e de tempo!) para todos nós!!!
Acho que o Jesus Cristo de hoje (!!!) nos diria, "Bem-aventurados aqueles que arranjam tempo para si porque descobririam que o tempo que encontram para os outros para si mesmos o encontrariam e consigo próprios SE ENCONTRARIAM!".

antónio colaço

 

 



publicado por animo às 19:39
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

DA ARTE E DOS ESPAÇOS INE...

OBRIGADO, MANUEL

ANTONIO COLAÇO NO "VOCÊ N...

PE ANSELMO BORGES NOS ANI...

ANA SÁ LOPES NOS AAAANIMA...

ANA SÁ LOPES NOS ANIMADOS...

O OUTRO LADO DO AAANIMADO...

LISBOAS

CHEF PEDRO HONÓRIO OU AS ...

BALANÇO FINAL . JOAQUIM L...

REGRESSARAM OS AAANIMADOS...

IN MEMORIAM ANTÓNIO ALMEI...

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds