Quinta-feira, 13 de Outubro de 2016
WEBANGELHO SEGUNDO ANSELMO BORGES

19887754_cP05B.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pe Anselmo Borges, In DN 8 Outubro
EXCEPCIONLISMO ISLÂMICO

1 Na religião, como tentei tornar claro no Sábado passado, o decisivo é a experiência religiosa, mística, do encontro pessoal com Deus, com todas as consequências de comprometimento com o amor ao próximo, também na política. Mas, num mundo pluralista, em ordem à convivência e à paz, há condições essenciais, nomeadamente o Estado aconfessional. De facto, sem a separação da religião e da política e sem um Estado laico, não se vê como é possível garantir a tolerância e a liberdade religiosa de todos. Evidentemente, a laicidade nada tem a ver com o laicismo pelo qual, desgraçadamente, muitos sectores, sobretudo da esquerda política e cultural, se batem.

2 Quando a laicidade não foi garantida, imensos atropelos foram cometidos no âmbito do mundo cristão, como mostrei no Sábado. De qualquer forma, o fundador, Jesus, tem aquelas palavras decisivas: "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus". O cristianismo foi durante 250 anos uma religião pacífica e não pretendia conquistar o poder político. Aliás, seguindo o exemplo de Jesus que, chegado a Jerusalém, não exerceu violência, pelo contrário, mandou que Pedro metesse a espada na bainha, e foi crucificado.

3 Não tenho dúvidas: milhões e milhões de muçulmanos fizeram e fazem uma experiência religiosa autêntica com o Deus Clemente e Compassivo, como diz o Alcorão, e a maior parte são pessoas que querem a paz.

Mas, depois, como disse, há um problema essencial, que tem a ver com a religião enquanto instituição. Aí, é imprescindível uma leitura histórico-crítica dos textos sagrados, concretamente do Alcorão, que, como sabe qualquer investigador sério, sendo constituído por várias camadas históricas na sua redacção, não permite uma leitura literal. Por outro lado e repetindo, não há possibilidade de igualdade e liberdade religiosa, sem a laicidade, a separação da religião e da política.

Não se pode escamotear a história. Como escreveu Giulio Albanese, no livro O islão explicado a quem tem medo dos muçulmanos, "É claro que certo tipo de comunicação esquece que o islão, através das suas conquistas militares, foi inclusivamente mais colonialista do que o Ocidente. Embora historicamente o islão tenha conhecido etapas de maior tolerância do que a demonstrada pelas sociedades cristãs da altura (por exemplo, na época medieval), de facto na maior parte das sociedades islâmicas está vigente ainda a lei de apostasia pela qual um muçulmano que abandona o islão é susceptível de pena de morte. E é curioso que esta vexata quaestio, de capital importância para a liberdade de consciência e de expressão, nunca seja posta em discussão nos diferentes debates inter-religiosos e mediáticos nos círculos pan-árabes".

Ao contrário de Jesus, Maomé não foi só um profeta: foi ao mesmo tempo um Chefe de Estado e um guerreiro que combateu em muitas batalhas e derramou sangue. E só quem nunca leu o Alcorão de modo crítico é que pode dizer que o islão é só uma religião de paz.

Assim, como mostra o prestigiado académico Shadi Hamid, ele próprio muçulmano, num livro importante acabado de publicar, Islamic Exceptionalism, é fundamental perceber que, precisamente porque, historicamente, nasceu com um profeta, Maomé, a formar e a governar um Estado, o islão constitui de facto uma "excepção" na história das religiões: ele é diferente, por exemplo, do cristianismo no "modo como se relaciona com a política". É preciso reconhecer que centenas de milhões de muçulmanos à volta do mundo "querem que o islão desempenhe um papel importante na vida pública". Pode-se gostar ou não, mas, se realmente o islão vai desempenhar nas próximas décadas um papel central na política, também no Ocidente, "então o objectivo não deveria ser empurrá-lo para fora ou excluir as pessoas, mas encontrar maneiras de adaptá-lo num processo legal, pacífico e democrático". Tarefa urgente e ingente, sobretudo num Ocidente que não é só laico, mas laicista e, para lá de secularizado, secularista, materialista.

4 Com este pano de fundo e no contexto da morte por degola do Padre Jacques Hamel, que o Papa Francisco considera mártir e cujo processo de beatificação aceitou acelerar, Ross Douthat, escreveu recentemente no The New York Times sobre o futuro da religião na Europa: A Igreja em que cresceram tanto o Papa Francisco como o padre Hamel tem a perspectiva do Concílio Vaticano II e "supõe que a modernidade liberal representa uma mudança permanente, uma espécie de maturação na qual também a religião deve amadurecer. Mas a Igreja católica madura, pelo menos no Ocidente, é literalmente uma Igreja em agonia. Como fez notar o filósofo francês Pierre Manent, o cenário do assassinato de Hamel ilustra bem a condição da fé na Europa ocidental: "uma igreja quase vazia, dois fiéis, três freiras, um sacerdote ancião". É provável que o islão de muitos dos imigrantes seja a força religiosa mais poderosa na Europa na próxima geração, trazendo consigo um "excepcionalismo islâmico" (Shadi Hamid) que bem poderia não encaixar em nada no actual experimento laico e liberal".



publicado por animo às 13:08
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

DA ARTE E DOS ESPAÇOS INE...

OBRIGADO, MANUEL

ANTONIO COLAÇO NO "VOCÊ N...

PE ANSELMO BORGES NOS ANI...

ANA SÁ LOPES NOS AAAANIMA...

ANA SÁ LOPES NOS ANIMADOS...

O OUTRO LADO DO AAANIMADO...

LISBOAS

CHEF PEDRO HONÓRIO OU AS ...

BALANÇO FINAL . JOAQUIM L...

REGRESSARAM OS AAANIMADOS...

IN MEMORIAM ANTÓNIO ALMEI...

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds