Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2016
WEBANGELHO SEGUNDO FREI BENTO DOMINGUES

 

751166.jpg

 

1. O dia 25 de Dezembro não celebra o aniversário histórico do nascimento de Jesus de Nazaré. A Igreja de Roma fixou esta data como réplica pastoral à festa solar pagã do Natalis Invicti, festa de inverno no hemisfério norte. Foi uma bela astúcia. Procurava destronar a heliolatria, o culto do sol, pela celebração do nascimento de Jesus Cristo, o verdadeiro Sol Invencível, a luz da justiça e da graça. Se o Natal é decisão romana, a Epifania, a 6 de Janeiro, é de origem oriental: celebram ambas a mesma realidade, a manifestação do Deus humanado.

A linguagem das Escrituras e da Liturgia não caiu do Céu. Para fazer entender a novidade cristã foram transpostas, muitas vezes, imagens e festas pagãs para o universo católico. Onde hoje alguns podem julgar que houve uma paganização do Cristianismo, outros vêem, nesse esforço, a sua cristianização. A este propósito, as descrições que Epifânio de Salamina[1] fez  da festa pagã, de tipo solar, ajudam-nos a perceber os discernimentos que foram necessários para entender a nossa festa de 6 de Janeiro.

Vale a pena ler: “em muitos lugares, os charlatães inventam ritos idolátricos para enganar os adoradores dos ídolos que neles confiam. Celebram, uma festa grandiosa, precisamente na noite que precede o dia da epifania… Temos de referir, em primeiro lugar, a festa que se celebra em Alexandria, no chamado Koreion. Ficam acordados toda a noite, a cantar alguns hinos e a tocar flauta para acompanhar os cânticos que entoam em honra do ídolo. Uma vez terminada a celebração nocturna, ao cantar do galo, descem, empunhando tochas, a uma espécie de capela subterrânea e pegam num ídolo de madeira, despido, colocado sobre uma peanha… A seguir, levam o ídolo em procissão, dando sete voltas ao recinto interior do templo, ao som de flautas, de tambores e a cantar hinos; terminada a procissão, levam o ídolo para a sua sede subterrânea. Se lhes perguntarmos que mistério é esse, respondem: Hoje, a esta hora, Kore, a virgem deu à luz Aion.”

Além desta conotação solar, a festa oriental da epifania aponta para outra festa pagã, a das águas. Epifânio relaciona a festa de 6 de Janeiro com o milagre de Caná.

“Até aos nossos dias, em muitos locais, repete-se o prodígio divino que teve lugar naquele tempo, a fim de dar testemunho aos incrédulos. Em muitos sítios, comprovam-no fontes e rios transformados em vinho. Isto acontece na fonte de Cibyra, cidade de Caria, no momento em que os servos tiram água dizendo: levai-a ao mestre-sala.” (…) Também a 11 de Tybi, 6 de Janeiro, segundo os egípcios, todos irão tirar água e pô-la de parte, tanto no Egipto como noutros países.

2. Este ano, o Natal é num Domingo, a celebração semanal da Páscoa. Mas é Páscoa ou Natal? Pensando bem, não poderia haver Páscoa sem Natal, mas um natal sem Páscoa seria dar à morte a última palavra.

Uma coisa é dizer e outra é ter consciência do que isso implica. Há uns tempos a esta parte, observo o seguinte: há cristãos que, ao participarem na Eucaristia dominical, regressaram ao costume depressivo de ficar de joelhos. Uns fazem-no durante a anáfora e outros ajoelham antes de comungar.

Talvez não seja descabido ler o que, já no século II, Tertuliano[2] destacava: nós consideramos que, ao domingo, não é permitido jejuar nem rezar de joelhos. Do mesmo privilégio gozamos no dia de Páscoa e durante o período do Pentecostes. O grande teólogo, S. Basílio[3] sublinha: “É de pé que fazemos a oração do primeiro dia da semana, mas nem todos sabem a razão de tal facto. Permanecemos de pé quando rezamos no dia consagrado à ressurreição – como ressuscitados com Cristo e devendo procurar as coisas do alto[4]– não só porque recordamos a graça que nos foi dada, mas por aquele dia ser, de certo modo, uma imagem do mundo que há-de vir. (…) É necessário, pois, que a Igreja habitue os fiéis a rezar de pé, a fim de que, pela incessante invocação da vida eterna, não nos esqueçamos de preparar o nosso viático, em vista da nossa partida para o céu”.

3. Dir-se-á que não vale a pena perder tempo a procurar saber se é melhor rezar de pé, de joelhos ou sentados. É verdade e seria ridículo dizer a uma pessoa que se ajoelha para comungar: levante-se!

A oração não é um comportamento exclusivo de nenhuma religião. Jesus era um grande orante, mas o seu primeiro cuidado não foi o de arranjar um manual de orações para os seus discípulos, que se queixaram desse descuido. Não se esqueceu, porém, de evangelizar a oração[5].

Segundo S. Mateus, importa não imitar os hipócritas exibicionistas nem os gentios que entendem que é pelo palavreado excessivo que serão ouvidos: o vosso Pai sabe do que tendes necessidade antes de lho pedirdes. A oração nasce em nós, por causa dos nossos limites. Pedir socorro, quando se está aflito, é uma atitude normal e saudável. É uma forma de resistência ao fatalismo.

Importa, no entanto, não transferir para a nossa relação com Deus a ficção de que O estamos a informar e a convencer, inventando um sistema de cunhas para O fazer entrar nos nossos projectos.

A oração não é para convencer a Deus é para nos convencer de quanto precisamos de Deus e dos outros para transformar o mundo.

Boa ressurreição!

 

[1] 310-403 dC. Cf. José Manuel Bernal, Para viver o ano litúrgico, Gráfica de Coimbra, 2001, pp 301-303

[2] 160-220 dC

COMENTÁRIO

Tão desconcertante quanto vivificante!
Depois de assistir à Eucaristia de ontem nos Jerónimos, mas não é de agora, claro,em que a assistência quase não intervém - o latim, o seu culto, parece estar mais ao serviço de um ritual de elitista igreja do que ao serviço da comunidade que, assim, praticamente em nada participa - é gratificante perceber que há outras leituras.
Até mesmo os cânticos, conquanto que exímios na sua execução, em nada convocam à participação.
Meu caro Cónego José Ferreira não seria de dar um jeito nesta elitista liturgia?
antónio colaço



publicado por animo às 12:32
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

DA ARTE E DOS ESPAÇOS INE...

OBRIGADO, MANUEL

ANTONIO COLAÇO NO "VOCÊ N...

PE ANSELMO BORGES NOS ANI...

ANA SÁ LOPES NOS AAAANIMA...

ANA SÁ LOPES NOS ANIMADOS...

O OUTRO LADO DO AAANIMADO...

LISBOAS

CHEF PEDRO HONÓRIO OU AS ...

BALANÇO FINAL . JOAQUIM L...

REGRESSARAM OS AAANIMADOS...

IN MEMORIAM ANTÓNIO ALMEI...

PE ANSELMO BORGES NÃO TE...

MINISTRO CAPOULAS SANTOS ...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

CARDIGOS, AS CEREJAS E O ...

trip - ir a mundos onde n...

´WEBANGELHO SEGUNDO ANSEL...

ANDRÉS QUEIRUGA EM PORTUG...

WEBANGELHO SEGUNDO ANSELM...

arquivos

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

todas as tags

links









































































































































































































subscrever feeds